Como Soros Está se Protegendo Contra Trump

NOVA YORK (Reuters) – O Soros Fund Management, cujo chairman George Soros disse no início deste ano que os mercados americanos podem sucumbir dada a incerteza em torno do presidente dos EUA, Donald Trump, está carregando posições que podem ter ganhos significativos caso os mercados financeiros caiam, foi o que mostrou os registros regulatórios dos EUA na última segunda-feira. As maiores posições estão em opções de venda (puts) em PowerShares QQQ Trust, SPDR S & P 500 ETF e iShares Russell 2000 ETF.

George Soros, em janeiro deste ano, disse em seu jantar anual realizado no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, que é impossível prever as ações de Donald Trump, mas que ele estava, no entanto, convencido de que ele falhará:

“Donald Trump vai fracassar. Os mercados veem Trump desmantelando as regulamentações e reduzindo impostos. Várias formas de sociedades fechadas – de ditaduras fascistas a Estados mafiosos – estão no horizonte. Os Estados Unidos elegeram um aprendiz de ditador como presidente. Mas Trump vai falhar e os mercados não vão se dar bem.”

De acordo com o relatório do fundo – apresentado na US Securities and Exchange Commission – que mostra as posições em 30 de junho, o Soros Fund Management está carregando opções de venda (puts) em PowerShares QQQ Trust (QQQ.O), SPDR S & P 500 ETF (SPY.P) e iShares Russell 2000 ETF (IWM.P). Em outras palavras, caso o mercado entre em declínio e cada um destes três ETFs entrem em queda, as puts associadas irão ter valorizações significativas.

Estas três puts são uma aposta contra os índices Nasdaq 100, S&P 500 e Russsel 2000 respectivamente. O que chama atenção no relatório, é que as puts de Soros, com um valor aproximado de quase US$ 1,8 bilhão, representam três das quatro maiores participações individuais.

carteira george soros

As divulgações trimestrais das participações dos fundos, que são conhecidos como relatórios 13F, oferecem pistas sobre o que os grandes investidores estão vendendo e comprando.

As opções geralmente são usadas para limitar o risco de uma outra posição do portfólio. No caso específico de Soros, a SPY put poderia ser compensada por uma posição longa no ETF avaliada em US$ 2,7 milhões e uma opção de compra (call) avaliada em quase US$ 50 milhões.

O relatório revela também que Soros zerou posições em Hewlett Packard, Netflix, Oracle e Symantec. Apesar disto, o valor total do portfólio aumentou de US$ 4,96 bilhões para US$ 5,62 bilhões. Foram iniciadas posições em Altaba e EQT Corporation, enquanto houve aumento de posição em TiVo Corporation e Time Warner Inc.

O número total de posições do portfólio de George Soros diminuiu de 260 para 203 sendo que as menores posições representam cerca de 30% do portfólio.

Quem é George Soros

Como apresentado na matéria O jeito de investir de George Soros, o bilionário que quebrou o Banco da Inglaterra, Soros é um daqueles megainvestidores que vivem nos holofotes da mídia. Mas, diferentemente de outros, sua fama não é justificada “apenas” pelo fato de ser o 29º homem mais rico do mundo – sua fortuna é avaliada em 25,2 bilhões de dólares, segundo a revista Forbes. Conta, também, o perfil de investidor/especulador excêntrico e a história de vida instigante.

o hedge de george soros

Soros é considerado o mais bem-sucedido gestor de fundos (hedge funds) da história

Judeu, nascido em Budapeste (Hungria) em agosto de 1930, Soros mudou-se com a família para Londres em 1947 para fugir da ocupação nazista, onde se graduou na London School of Economics. Em 1956, passou a viver nos Estados Unidos. Lá, iniciou sua carreira no mercado financeiro e se consagrou como um dos maiores investidores do mundo. Para completar, em 1992, ele apostou alguns milhões de dólares contra as previsões do banco central inglês de que a libra esterlina se manteria em alta, em uma operação que lhe rendeu um lucro de 1 bilhão de libras em apenas um dia – e a fama de ter sido “o homem que quebrou o Banco da Inglaterra”.

Soros, China e Europa

O receio de Soros para com a situação dos mercados vai além dos E.U.A. Em meados do ano passado, Soros voltou a operar no mercado financeiro após um longo hiato. E o que o tirou da vida de filantropo foi uma oportunidade de lucro baseada no que ele vê como problemas que impactarão o mercado.

Estes problemas estão em larga medida relacionados a questões na China e na Europa. “A China continua a sofrer de uma fuga de capital e está perdendo as suas reservas em moeda estrangeira enquanto outros países asiáticos vêm acumulando moeda internacional”, disse o megainvestidor, que ainda falou sobre conflitos internos na liderança política do PCC (Partido Comunista Chinês), levando a preocupações sobre a instabilidade política da segunda maior economia do mundo.

Sobre a Europa, ele disse estar bastante preocupado com a possibilidade da União Europeia entrar em colapso por conta da crise migratória e da saída do Reino Unido do bloco.

Preparado para enfrentar este suposto terremoto, o bilionário começou uma série de posições vendidas. A Soros Fund Management, que administra US$ 30 bilhões para o megainvestidor e sua família, vendeu ações e comprou ouro e participações em mineradoras auríferas, lembrando que o “vil metal” é considerado um dos portos seguros do mercado, para onde o capital dos investidores vai em momentos de muita tensão econômica ou geopolítica.

No início deste ano, em palestra proferida no Fórum Econômico Mundial em Davos, Soros, além de prever uma guerra comercial dos EUA com a China, disse acreditar que a União Europeia “está se desintegrando”.

“Políticos falharam no Brexit e no referendo na Itália. A política de Trump vai forçar uma aproximação dela com a China”.

Soros aposta que os britânicos se arrependerão do Brexit. Vão perceber que foi um “desastre”, conforme a inflação corroer sua renda.

“Vão se dar conta de que estarão ganhando menos do que antes. Será um processo longo: divorciar leva mais tempo que casar. Se a Europa quebrar, as consequências serão “muito desastrosas. Não acredito que vá se salvar.” Theresa May, a primeira ministra britânica tampouco vai durar.”

Soros e Brasil

George Soros tem uma relação muito íntima com o mercado acionário brasileiro, mais especificamente com as ações da Petrobras. Soros é praticamente um mega-trader dos papéis da petrolífera brasileira, já comprou e vendeu ações em diversos momentos no passado. A entrevista abaixo apresenta algumas visões de Soros sobre a America Latina.

Soros também já foi entrevistado no programa Roda Vida da Rede Cultura. A entevista foi ao ar pouco tempo antes da crise subprime estourar. Na ocasião ele disse:

Você menciona a desaceleração da economia norte-americana. Isso está acontecendo, realmente. Porque houve uma bolha habitacional que agora está sendo desinflada. Houve uma superoferta de habitações. E a grande pergunta para a qual não sei a resposta é se isso vai afetar a demanda do consumidor. Até agora, não afetou. Até agora, houve outros fatores que mantiveram o emprego bastante animador. Mas creio que há algo como uma chance 50%/50% de que haverá mais do que uma desaceleração. E, então, poderíamos ter alguns resultados negativos bastante inesperados. Porque, em minha opinião, a liquidez no mundo vem do déficit comercial dos Estados Unidos, que aumenta as reservas em vários países. E, de um modo ou de outro, essas reservas criam liquidez nos mercados mundiais. Enquanto essa liquidez continuar a crescer, essas reservas continuarem a crescer, a liquidez é alimentada. Se as economias são desaceleradas, aí sua taxa de crescimento é desacelerada e seria possível ter algum deslocamento.

Especulador x Investidor

Como qualquer outra atividade econômica e social, a bolsa de valores forjou os seus tipos humanos. Entre eles, dois se destacam: o investidor e o especulador. Porém, sempre foi difícil traçar uma linha divisória entre ambas os papéis, visto que a todo o momento um invade a seara do outro.

Podemos dizer que o investidor tem um espírito empreendedor, ele almeja uma certa rentabilidade para o seu dinheiro empregado em um determinado negócio por um período longo de investimento. Já o especulador (do latim speculare, vigiar, ficar atento) possui uma visão de curto prazo, não está interessado em obter ganhos com os lucros da empresas e sim com as oscilações dos preços dos ativos. O investidor prioriza preservar o seu patrimônio já o especulador quer aumentá-lo ao máximo possível numa só tacada.

Muitos encaram os investidores como os bons mocinhos e os especuladores como os bad guys do mercado financeiro. Contudo as duas figuras são importantes para o funcionamento do mercado de capitais. Podemos dizer que o especulador é necessário e tão importante quanto o investidor. O especulador assume o risco (de oscilação de preços) que o investidor não quer assumir. E por isso ele é um agente importante já que promove a liquidez dos mercados.

Ao contrário do investidor clássico que só assume posições compradas em boas empresas (lucro previsível no balanço – ganho previsível no preço do papel), o especulador assume posições compradas e também vendidas, seja por meio de derivativos ou de empréstimos de ativos. Tem por característica básica não carregar por muito tempo suas posições. O objetivo dele é obter o maior lucro possível de suas operações, muitas vezes apostando contra o senso do mercado, seja por uma convicção ou até mesmo por uma informação privilegiada.

Ao analisar o portfólio de George Soros, podemos concluir que ali há investimento (posições longas) e também especulação na forma de carregamento de opções de venda (puts) e opções de compra (calls). Agora, pense no nome do maior investidor do mundo, será que existe no seu portfólio algum ativo especulativo? Senão, vejamos…

carteira warren buffett

Podemos considerar que Warren Buffett representa o investidor na sua essência. Ele não queima fosfato especulando e sim procurando empresas lucrativas para investimento de longo prazo. Buffett também não casa com as empresas para sempre, se os números da companhia começam a deteriorar, ele pedirá o divórcio. Foi o que ocorreu recentemente com a General Eletric (GE).

De acordo com o relatório apresentado acima, a Berkshire Hathaway vendeu as ações da General Electric que detinha. Mas a GE não estava mais entre as 20 maiores ações da Berkshire. As ações da GE caíram cerca de 20% até agora em 2017, uma performance bem abaixo do índice, que subiu mais de 11%. A empresa tem sofrido com a desaceleração dos negócios de petróleo e gás.

Em junho, a General Electric anunciou que o CEO Jeff Immelt ia se aposentar e seria substituído pelo veterano na companhia, John Flannery. Contudo, um relatório do desempenho de julho pressionou ainda mais as ações.

Ao deixar a GE, a Berkshire Hathaway adicionou 17,5 milhões de dólares na participação acionária na Synchrony Financial, uma empresa de cartão de crédito originada na General Electric em 2015. Após divulgação do relatório, as ações da GE caíram 0,4% nas negociações após o fechamento do mercado, enquanto as da Synchrony tiveram alta de 4,4%.

Conforme reportagem do jornal Valor, a Berkshire recebeu a maioria das ações em 2013, depois de Buffett ter emprestado aproximadamente US$ 3 bilhões à GE em outubro de 2008 durante a crise financeira. Além das ações, a Berkshire recebeu centenas de milhões de dólares em dividendos da GE ao longo de vários anos. No total, o investimento de US$ 3 bilhões de Buffett gerou um lucro de mais de US$ 1 bilhão.

Outro estreante na carteira de Warren Buffett é o STORE Capital. A posição atual do ativo é de 0,26% na carteira da Hathaway mas o valor investido corresponde a 9,8% do STORE Capital. O valor investido foi de US$ 377 milhões.

O STORE Capital é um REIT de arrendamento bancário triplo com uma capitalização de mercado de US $ 3,9 bilhões. STORE é um acrônimo que significa Single Tenant Operational Real Estate. Os imóveis deste REIT concentram-se em propriedades do serviço: instalações pré-escolares, clubes de saúde, salas de cinema e sites de pet-care.

Segundo reportagem da Bloomberg, os REITs de varejo têm perdido investidores, uma vez que a Amazon.com Inc. e outros vendedores on-line estão tornando cada vez mais fácil as compras de roupas, brinquedos e outros itens, diretamente de seus computadores ou smartphones, sem ter que pisar em uma loja física.

Buffett, por sua vez, há muito expressou confiança nos investimentos imobiliários para gerar renda por longos períodos de tempo e para oferecer uma segurança se o dólar perder valor. Ele disse que essas apostas, seja em edifícios ou em terras agrícolas, são muitas vezes mais seguras do que o ouro ou os títulos públicos. O que não deixa de ser uma forma de proteção para sua carteira, estaria ele especulando? rs

suno research recomendação

19 comentários em “Como Soros Está se Protegendo Contra Trump

  1. Ser Lixo Responder

    Um dos maiores mafiosos do mundo. Como os colegas, não posso negar a expertise em investimentos, mas é um globalista financiador da esquerda. Até movimentos brasileiros, como o Mídia Ninja, já foram financiados por ele. Aí eu te pergunto: com que propósito?

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Fala Mr. Trash!

      Até fazer este post não sabia que o Soros era tão mal visto, rs.

      Abraço!

  2. Visionario Responder

    Abacus boa noite.

    Precisava de um tutorial sobre moedas eletronicas. como comprar , onde, como manter em custodia, enfim.

  3. Leonardo M. Responder

    Quem manda mesmo no mundo são um punhado de famílias.
    Esses são apenas os peões nesse tabuleiro.

    Família real saudita tem mais de U$900 bilhões
    Família Rothschild mais ds U$1 trilhão
    Rockefeller,Reis do petróleo no catar,EAU,Rússia,etc tem outros trilhões

    Enfim…bilhões não são nada para comandar a economia do mundo.

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Realmente o mundo estão nas mãos de uns poucos, mas não caiu do céu para eles.

  4. Fernando Responder

    Acho que ele vai acertar, mas por outros motivos: bolha monetária criada em 2008 estourando quando o Fed começa a desalavancagem e com um aumento mais expressivo de juros. E ele sabe o motivo, só não diz pra imprensa, melhor culpar o Trump para seus objetivos políticos.

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Problema é que até acertar ele vai perdendo alguns dólares com esta venda.

  5. ANDRE R AZEVEDO Responder

    Não gosto do cara também como os colegas acima, mas uma coisa temos que aceitar: a extensão de suas operações (e influências) pode gerar grandes movimentos nos mercados. E é bom a gente ficar esperto.

    Eu aqui ainda estou reticente em aumentar meu % de carteira em ações… às vezes dá um friozinho na barriga de perder a onda, mas o mundo tá muito estranho…

    Abraço, Uó!

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      André, uma correção está em pleno andamento (veja as duas barras vermelhas em destaque, movimento assim não ocorreu nos últimos 12 meses), até aonde ela vai não sei dizer, mas está levando junto o IBOV. Estava vendido no índice há dois dias, hoje realizei lucro, mas se subir mais um pouco vou revender. Acho que chegou o momento de fazer uns trades na ponta da venda.

      s&p 500 em queda

  6. AROLDO BATISTA Responder

    Acho que estou mais para especulador na bolsa do que para investidor.
    Estou estou líquido e esperando essa correção desde o ano passado.

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      rs, quem espera sempre alcança, ou se cansa. Estou com um caixinha de 7% apenas, rs.

      • AROLDO BATISTA

        Paciência é uma “ferramenta” importante no mercado de renda variável.
        Além disso, não tenho pressa até porque meu capital está rendendo bem na renda fixa.

  7. Rodolfo Oshiro Responder

    Não sou muito chegado a Soros …. respeito como investidor … se o cara opera nyse .. é bom comprar puts mesmo …faz todo sentido … aqui no brasil a liquidez é ridicula ..

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Será que agora vai acertar o trade? Andou perdendo uns dólares na ponta vendida nos últimos tempos, rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.