Como Comprar Dólar sem Pagar IOF…

Semanas atrás recebi um telefonema de um amigo – o Anderson. Ele está com uma viagem marcada para o exterior e na ocasião estava pesquisando sobre compra de dólares. Me perguntou se eu conhecia uma forma de comprar dólar mais barato, sem pagar IOF. Me citou a existência de uma aplicativo para smartphone que possibilitava esta operação. Como não tinha a resposta para sua questão, me sugeriu esta pauta.

O dólar é hoje uma referência monetária no mundo todo, muito em função da popularidade da moeda e da força econômica que os E.U.A. exercem no mercado econômico global. No final do século XVIII a Inglaterra detinha a moeda mais forte do mundo – libra esterlina. No início do século XX os E.U.A. assumiram esta posição de liderança.

Desta forma, o dólar passou a ser usado como referência nas transações comerciais internacionais entre nações em todo o mundo. Além disto, para quem vai viajar para alguns países como os E.U.A., a compra de dólares é uma etapa que deve ser bem planejada e executa no tempo certo para assim diminuir os custos da viagem. Neste post tentarei ajudar os marinheiros de primeira viajem. E se você já tem experiência em viagens internacionais e possui outras dicas, não deixe de compartilhar conosco na área de comentários.

Oscilações da Cotação do Dólar

Quem vai viajar e precisa comprar dólar barato fica de cabelo em pé com a oscilação da cotação aqui no Brasil. Principalmente nestas épocas de turbulências políticas as amplitudes de variação do preço do dólar são consideráveis. Há poucos dias vimos a cotação subir mais de 8% em um único dia, e logo em seguida começou a cair novamente. Mas por que o preço do dólar varia tanto aqui no nosso país?

O Brasil possui hoje um sistema cambial flutuante, isto quer dizer que cotação do dólar oscila porque é um ativo de valor e negociável. Por isto está sujeito à lei maior do mercado: “lei da oferta e da procura”. Quanto maior a quantidade de dólares ofertada no mercado, menor o preço; e quanto menor, maior o preço. Essa disponibilidade é formada principalmente pela entrada ou saída de dólares no país.

O cidadão comum que não acompanha economia de perto fica perdido na hora de comprar dólar. As maiores dúvidas que surgem são: está na hora de comprar dólar? o dólar está caro? o dólar vai subir mais? o dólar pode cair? vale a pena comprar dólar aos poucos? etc… Sinto dizer mais nenhuma destas perguntas será respondida com exatidão, nem mesmo os economistas mais renomados te ajudarão.

Prever para aonde o câmbio vai é uma das tarefas difíceis no mercado financeiro, se alguém dizer que o dólar vai cair ou vai subir duvide, esta pessoa está apenas fazendo uma projeção tendo em vista algumas variáveis de mercado. E quais variáveis são estas? Algumas delas listarei a seguir e até você que é um cidadão comum como eu poderá monitorá-las para ter uma ideia se vale ou não a pena comprar o dólar.

cotacao dolar hoje

Investimentos na Bolsa

Muitos investidores da bolsa de valores brasileira são estrangeiros. São bancos e instituições financeiras do mundo todo que procuram oportunidades de investimentos em países emergentes como o Brasil. Se esses investidores concluem que a economia brasileira está ruim então ocorrerá uma saída de capital do mercado levando à fuga de dólares. Isso fará com que o dólar fique mais escasso na economia local aumentando assim o preço da moeda estrangeira pois quanto menor a oferta maior o preço.

O mercado de capitais brasileiro pode também se tornar vantajoso sob determinadas circunstâncias atraindo investidores estrangeiros. Nesse caso entrará mais dólar no país fazendo com que o preço da moeda caia. Isto foi verificado quando ocorreu a saída da do governo. Os investidores estrangeiros perceberam que o risco do país tinha caído e por isto injetaram dólar no Brasil fazendo com que o preço da moeda caísse dos 4,4 reais (ápice da crise) para cerca de 3 reais nos dias de hoje.

Contas do Governo

Quando se fala em risco-país estamos falando principalmente da capacidade do governo em honrar suas dívidas. E para honrar dívidas é necessário ter as contas (receitas e despesas) em dia. Imagine que um dois amigos lhe peçam um empréstimo, sendo que um deles recebe salários superiores aos gastos que possui e o outro gasta tudo que recebe mais um pouco. Para qual deles você se sentirá mais seguro em emprestar o dinheiro? Com países ocorre a mesma coisas, investidores se sentirão mais seguro em colocar seu dinheiro em países com baixo risco de calote. E mesmo que você opte por emprestar dinheiro aos dois amigos irá cobrar uma taxa de juros maior para o amigo mas descontrolado financeiramente.

Um governo que apresenta déficit primário aumenta o risco-país repelindo investidores estrangeiros que irão retirar seus dólares do país. Isso diminui a quantidade de dólares em circulação deixando a moeda mais cara. Por outro lado, um governo responsável e transparente pode atrair investidores. Aqui no brasil estamos verificando a deterioração das contas públicas há 4 anos, o que fez o dólar subir muito de 2014 para cá. A situação ainda continua crítica pois o rombo nas contas públicas continua vigente, mas o preço do dólar caiu de 4 reais para 3 em função das expectativas de que o novo governo (que já está quase caindo diga-se de passagem) tenha uma melhor gestão das contas públicas.

Políticas do Banco Central (BC)

O câmbio flutuante foi estabelecido no Brasil em 1999, depois de décadas sob regime de câmbio fixo. O câmbio flutuante foi uma das melhores coisas que aconteceram na economia brasileira. Agora o dólar tem o preço definido pelo mercado, pela lei da oferta e da demanda. Mas apesar de estarmos sob um regime de câmbio flutuante a coisa não corre tão solta assim.

O Banco Central brasileiro pode tomar medidas que valorizam ou desvalorizam o câmbio. Por exemplo, ele pode vender seus dólares para controlar uma alta abrupta no valor dessa moeda, valorizando o real frente ao dólar. É possível também que o BC compre títulos do Tesouro Nacional e diminua com isso a quantidade de moeda nacional, deixando-a mais valorizada.

Políticas do Federal Reserve (FED)

Obviamente, o banco central dos Estados Unidos da América (FED) influencia o valor do dólar no mundo todo. As medidas mais evidentes para isso relacionam-se com a compra ou a emissão de títulos da dívida pública. Quando emite títulos, o FED diminui os dólares disponíveis, valorizando a moeda. Ao comprar esses títulos, o FED aumenta a quantidade de dólares, diminuindo o valor da moeda. As taxas de jutos praticadas pelos E.U.A. também influenciam na cotação da moeda.

Crises Internacionais

Em momentos de crise quando a incerteza dos investidores aumenta, as instituições financeiras privilegiam os ativos mais líquidos como o dólar e as Treasuries (títulos da dívida pública note-americana). Desta forma, a cotação do dólar tende a subir. Isto ocorreu com grande intensidade na última grande crise – crise do subprime.

Reservas Cambiais

Se um país possui baixas reservas cambiais, ou seja, a quantidade de dólar e ouro acumulado nos cofres do país, passa a depender do dólar para efetuar negociações internacionais, como pagar fornecedores. Se isso acontece, há chances de ter uma valorização da moeda estrangeira. Hoje o Brasil tem a maior reserva cambial da sua história, ponto positivo.

Onde e Como Comprar Dólar?

Agora que você se tornou um expert em monitoramento de mercado financeiro e já consegue determinar os melhores momentos para comprar dólares, resta saber onde e como comprar as tão sonhadas notas verdinhas. OK, este texto não foi suficiente para lhe transformar em expert e você optou por fazer compras mensais do dólar para a sua viagem à Disney no próximo mês de janeiro. Mesmo assim você precisará saber como e onde comprar dólar.



Comprar Dólar em Casa de Câmbio ou Banco?

Atualmente é possível comprar dólar em casas de câmbio ou em bancos, a principal dúvida que surge é em qual destas instituições financeiras é melhor comprar dólar. Não há uma resposta definitiva para esta questão, só mesmo pesquisando para conhecer a melhor opção para você.

Tenha cuidado ao pesquisar pois, ao solicitar a cotação em um banco ou casa de câmbio, o valor informado geralmente será menor no banco. Isto porquê no preço do dólar nas casas de câmbio já estão incluídas todas as taxas. Em contrapartida os bancos não embutem essas taxas no valor do preço pois as taxas são cobradas em separado.

Isto ocorre porque as taxas bancárias são calculadas de acordo com a sua relação com o banco. Por exemplo, se você é correntista ou não, se é cliente “vip”, etc. Para correntistas do banco, principalmente para os “vips”, é possível negociar boas condições de compra, com redução das taxas.

Comprar Dólar em Espécie ou Carregar Cartão Pré-Pago?

Esta é outra dúvida comum de quem vai viajar para o exterior. Devo levar dinheiro em espécie na carteira ou levar um simples cartão pré-pago de viagem. Para comprar dólar ou outra moeda estrangeira em espécie o turista pagará um IOF de 1,1%. Por sua vez, para carregar um cartão pré-pago de viagens o viajante pagará um IOF de 6,38%.

Desta forma, levar dólar em espécie tem como vantagem o imposto mais baixo. Entretanto, não é muito seguro você andar com grandes quantias de dinheiro durante sua viagem, pois você corre risco de perder, ser assaltado, etc. Mas há quem diga que este é o menor dos problemas pois geralmente os destinos são seguros e carregando o dinheiro com cuidado não há maiores problemas.

Os cartões pré-pagos são amplamente aceitos em estabelecimentos comerciais no exterior. É possível também fazer saques em caixas eletrônicos de redes conveniadas com esse tipo de cartão, mas para esse serviço é cobrada uma taxa por cada operação, que vai variar de acordo com o banco e caixa eletrônico.

Como visto acima, o dólar em espécie tem a vantagem de sair mais barato, por outro lado é menos seguro. Já o cartão pré-pago de viagem possibilita uma segurança maior mais sairá mais caro para o viajante. O ideal é mesclar entre as duas alternativas, ter uma certa quantia de dólar em espécie e o restante em cartões. Ter um cartão de crédito internacional também é importante.

cambio dolar

Casas de Câmbio

As casas de câmbio compram moeda por um preço e vendem mais caro. Então, se o preço no mercado do dólar está em R$ 3,27 como hoje, as casas de câmbio compram por um preço abaixo deste e revendem com uma margem de lucro. Este é o modelo de negócio: faturar com taxas e o spread entre compra e venda. Por exemplo, no dia de hoje a melhor oferta de compra que encontrei aqui em Belo Horizonte foi de R$ 3,21 e a melhor oferta de venda foi de R$ 3,46.

Nas operações de compra e venda de dólares incidem diversas despesas adicionais (entre impostos e taxas operacionais das casas de câmbio). Acontece que diferentes casas de câmbio negociam as moedas por diferentes preços, de acordo com as taxas e margens de lucros de cada uma. As taxas básicas cobradas pelas casas de câmbio são:

Conversão de câmbio da moeda: A legislação permite que cada casa de câmbio cobre o valor desejado nas operações de moedas;

Taxas operacionais: Quando você realizar uma transação com uma casa de câmbio será cobrado uma taxa operacional que varia de casa para casa;

IOF – Imposto sobre Operações Financeiras: Este imposto é cobrado para todas as operações de crédito, câmbio, seguro ou operações relacionadas a títulos e valores imobiliários, ou operações com ouro, e outras ativos financeiros. Conheça as alíquotas de compra:

  • 1,10% para compra de papel moeda;
  • 6,38% para compras internacionais efetuadas com cartão de crédito, débito e recarga de cartões pré-pagos de viagem (conhecidos como travel money).

Melhor Casa de Câmbio

Como explicado no tópico anterior, as casas de câmbio possuem liberdade para negociar as moedas no preço que desejarem. Também costumam cobrar taxas diferentes. Desta forma o trabalho do cidadão é encontrar a casa de câmbio da sua localidade mais vantajosa em termos de valor da moeda e taxas cobradas.

Para auxiliar o cidadão nesta tarefa, existem sites na internet que coletam os valores cobrados por diversas casas de câmbio do país permitindo que a pessoa encontre a casa mais vantajosa sem para isto precisar entrar em contato com cada uma. Estes sites irão lhe apresentar tanto as melhores ofertas de venda quanto as melhores ofertas de compra.

Estes sites unificam informações de diversas casas de câmbio do país oferecendo qual o VET de cada uma. O VET (Valor Efetivo Total) representa o custo de uma operação de câmbio em reais por moeda estrangeira, englobando a taxa de câmbio, as tarifas e tributos incidentes sobre essa operação. Veja a seguir como estes sites funcionam.

1. Selecione a moeda: O primeiro passo é selecionar a moeda desejada que pode ser Dólar, Euro ou qualquer outra;

2. Selecione a cidade: Você precisará escolher a localidade da casa de câmbio;

3. Selecione a operação desejada: Você precisará escolher se deseja comprar ou vender a moda;

4. Selecione a casa de câmbio: O site irá apresentar a lista de casas de câmbio ordenadas pelas mais vantajosas em termos do VET.

Ao selecionar a casa de câmbio o site irá informar o endereço e telefone dela. Então é só entrar em contato com eles o mais rápido possível fazer a negociação da moeda.

Alguns sites apresentam a possibilidade de negociar preços com as casas de câmbio. Basicamente você diz a quantidade de dólares que quer comprar, e quanto gostaria de pagar.

Se alguma gostar da proposta pode fechar negócio. Lembre-se que quanto maior a quantidade de dólares que queira comprar, maior a chance de aceitarem.

Ranking do VET (Banco Central)

Comprar dólar mais barato é um desafio para quem vai viajar ou transferir dinheiro para o exterior. O valor do dólar pode variar bastante de uma instituição para outra, seja casa de câmbio ou banco. Para ajudar o cidadão nesta tarefa, o Banco Central criou um ranking do valor efetivo de moedas cobrado nas operações de câmbio.

O Valor Efetivo Total (VET) representa o custo de uma operação de câmbio em reais por moeda estrangeira, englobando a taxa de câmbio, as tarifas e tributos incidentes sobre essa operação. Os valores deste ranking referem-se a meses anteriores. As instituições não são obrigadas a praticar,
no presente, os valores divulgados nesta página.

A figura abaixo apresenta um exemplo de consulta nesta página do Banco Central. É preciso informar qual o tipo de operação (viagens internacionais ou transferências pessoais), a operação desejada (comprar ou vender), a moeda (Dólar, Euro, Libra, Peso, etc), a forma da moeda (cartão pré-pago ou em espécie) e o valor desejado.

ranking dolar vnet

É preciso lembrar que este ranking serve apenas como uma referência pois os valores apresentados são relativos a meses anteriores. Serve basicamente para ter uma tenção maior nas casas que praticaram os melhores preços.

Além disso, os valores apresentados representam uma média de todas as operações realizadas no mês. Isto é, se a maior parte das operações em determinado banco foi feita justamente num dia em que a cotação do dólar estava muito alta, essa instituição vai ficar mal posicionada no ranking, mas não necessariamente é a mais cara sempre.

O ranking também pode indicar que o histórico de uma empresa é de vender barato mesmo. Se uma instituição fica entre as mais baratas em mais de um mês, pode ser uma boa pista. Vale pesquisar quanto está cobrando atualmente.

Monepp: Dólar sem IOF

Como foi falado anteriormente, ao comprar dólar em uma casa de câmbio você deverá inevitavelmente pagar o IOF sobre a transação. A pergunta que surge diante deste fato é: Existe alguma forma de comprar dólar sem pagar IOF?! A resposta é sim. Tem como comprar dólar sem pagar IOF.

Para comprar dólar sem IOF você terá suas opções. A primeira será entrar em contato com amigos e conhecidos que acabaram de retornar do exterior. É muito provável que alguém retornou de viagem com algumas notas de dólar no bolso e agora quer vender por um preço camarada.

A segunda opção é usar um aplicativo chamado Monepp. A função deste app é justamente colocar em contato pessoas que querem comprar e vender dólares. O app chegou ao Brasil depois de passar por uma fase de testes na Venezuela. Segundo Felipe Barbosa, CEO da startup, o aplicativo aterrissou primeiro no país vizinho, pois os venezuelanos estão constantemente comprando dólares por conta da situação econômica do país.

Os fundadores decidiram lançar a solução no Brasil após perceberem que as pessoas já estavam fazendo compra e venda de moedas em fóruns na internet no país.



Por enquanto o Monepp está disponível apenas para Android. O app funciona de maneira simples: o usuário deve fazer um cadastro e informar se quer comprar ou vender uma moeda. Os interessados na venda devem dizer quais moedas têm – até agora, o serviço permite a troca de 162 moedas (incluindo bitcoin). Quem vende ainda deve informar quais moedas aceita em troca e por qual cotação.

Por meio de sistema de geolocalização, possibilita ao usuário determinar o raio de proximidade que deseja na busca de ofertas. A partir de então, os interessados se comunicam pelo chat do aplicativo e devem marcar encontro presencial para efetivar as trocas combinadas.

Aí a mágica da economia colaborativa acontece: Os usuários não possuem nenhum vínculo profissional com a empresa desenvolvedora. Cabe a estes a avaliação da credibilidade e da reputação dos vendedores e compradores no próprio aplicativo, por meio do ranking de avaliações disponibilizado e mantido pelos próprios usuários.

De acordo com o CEO da Monepp, considerando o perfil da startup, os números iniciais estão satisfatórios.

“Estamos diante de uma fintech, ou seja, uma ferramenta que proporciona o uso da tecnologia para atividades financeiras. Isso exige um certo grau de confiança dos usuários, que, no nosso caso, estão começando a se familiarizar com o aplicativo”, explica.

monepp dolar sem iof

O Monepp é Legal?

O mercado de câmbio no Brasil é regulamentado pelo Branco Central. O artigo oito da resolução nº 3568 diz que pessoas físicas podem comprar e vender moeda estrangeira no Brasil, desde que seja contraparte na operação agente autorizado a operar no mercado de câmbio, observada a legalidade da transação, tendo como base a fundamentação econômica e as responsabilidades definidas na respectiva documentação.

Entre as hipóteses de incidência do IOF, conforme art. 153, V da Constituição Federal, bem como do art. 63 do Código Tributário Nacional, está a do câmbio, tradicional operação de troca de moedas, de localidades distintas, partindo-se de índices oficiais e de conversão de valores.

Ocorre que tal operação, dada a importância econômica e financeira exige um controle por parte do Estado, inclusive sob risco de causar desvalorização da moeda interna. Por essa e outras razões, a própria legislação previu um controle da Administração Pública sobre tais operações, ocasionado a incidência do IOF nestas operações.

O portal EXAME.com consultou Ronaldo Gotlib, advogado especialista em direito financeiro, sobre o assunto.

“A transferência demanda o pagamento de impostos, como o IOF”, falou Gotlib. “Caso essa transação não seja paga, o usuário está sonegando impostos.”

O CEO da Monepp, por sua vez, diz que o Monepp não realiza o câmbio, apenas conecta pessoas com um interesse em comum (trocar moedas). Para ele a responsabilidade da troca não cai sobre a startup.

“Nossos usuários não praticam uma transação comercial e não precisam pagar o IOF”, explica o CEO.

Por outro lado, Gotlib afirma que se o aplicativo está promovendo a união de pessoas para praticar um ato ilegal, ele também faz parte do negócio. Para ele o prestador do serviço pode responder judicialmente a partir de um pagamento civil ou criminal.

O CEO da Monepp diz estar preparado para responder a problemas judiciais. Sabe que o app vai gerar debates, pois envolve a concorrência com as casas de câmbio. Como o Uber, pode sofrer muitos ataques dos agentes dos meios tradicionais e já regulamentados.

Opinião de Quem Usou o Monepp

Confesso que não testei o aplicativo – não ter smatphone me causa alguns impedimentos, rs. Mas entrei em contato com vários colegas que visitam o exterior frequentemente. Nenhum deles conhecia o aplicativo. O André do site Viagem Lenta se prontificou a fazer um teste e forneceu o seguinte relato:

Uó, hoje vi o aplicativo com mais calma. A ideia é ótima, vamos ver se quando começar a pegar de verdade o governo vai deixar isso assim, de boa e sem pagar IOF.

O problema ainda é que tem pouca gente dentro. Peguei a taxa da Socopa como referência. Nesse momento que escrevo, R$3,22 para US$1,00.

Só tem uma pessoa que vende menos reais pelo mesmo dólar, (3,20×1,00), mas está a 72Km de distância de mim. Mesmo considerando IOF não vale a pena. Todos os outros pedem mais reais pelo mesmo dólar. Deveria ser menor, né? O Uber deu certo justamente porque paga-se menos.

E todas as pessoas que estão oferecendo dólar aqui não foram avaliadas. Isso é, se for valores grandes, existe o risco de assalto, coisa do tipo. Vivemos no Brasil… Então, quem vai fazer um encontro às escuras sendo que o valor não é compensatório?

Enfim, é uma ideia boa. Mas precisamos de mais pessoas começando a usar para valer a pena pela distância e aumentar o número de classificações, para que nos sintamos mais seguros.

Encontrei também o youtuber Galdino Viaja falando a respeito:

Caso você tenha interesse em testar o aplicativo e colocar aqui o seu relato ficarei grato. Isto poderá ajudar muitos leitores que desejam comprar dólares desta forma.

Gráfico de Cotação do Dólar em Tempo Real

O dólar serve como parâmetro monetário para quase todas as economias do mundo. É como se fosse uma moeda universal, afinal, em muitos lugares, mesmo onde o dólar não é a moeda oficial, a circulação acontece livremente. Isso é mais comum principalmente nos destinos turísticos.

A taxa de câmbio é o valor de custo de uma moeda em um determinado país. Podemos dizer que a taxa de câmbio é quanto vale uma moeda se formos compará-la com outra. Por exemplo, hoje, dia 30/05/2017, um dólar (U$1,00) vale três reais e vinte sete centavos (R$3,27).

Se você se propor a monitorar o preço do dólar a fim de tentar encontrar os melhore momentos para comprar ou para vender, não bastará saber a cotação do dia, será importante ter uma visão gráfica da cotação da moeda estrangeira. Abaixo é fornecido um gráfico de cotação do dólar em tempo real que poderá lhe auxiliar nesta tarefa de monitoramento do câmbio:

Gráfico fornecido pela TradingView

Existe uma disciplina no mercado financeiro chamada Análise Técnica. Através de modelos estatísticos é possível determinar maiores e menores probabilidades no direcionamento dos preços de um ativo. Indicadores que levam em consideração os volumes negociados bem como os preços dos ativos também podem auxiliar na tomada de decisão.

Contudo não existe bala de prata. Se existisse estaria todo mundo rico comprando e vendendo dólar com um simples gráfico de cotação. Mas é inegável que a análise gráfica é uma ferramenta importante na detecção de fundos e topos nos preços de ativos como o dólar. Se você tem interesse em aprender mais sobre esta técnica existem livros e diversos artigos e vídeos sobre o tema na internet.

Como Comprar Dólar Mais Barato?

Veja este relato muito interessante do Primo Rico sobre como comprar dólar mais barato para viajar:

Eu vou viajar na semana que vem, e precisei comprar dólar. Durante essa jornada, aproveitei para comparar todas as formas que eu tinha de comprar dólar. Cheguei a uma conclusão, e gravei esse vídeo para vocês! Vamos lá?

Dica de Viagem: Como Comprar Dólar Mais Barato? (Corretora, cartão, aeroporto?!)

– Eu vou viajar em breve, na semana que vem, e precisava comprar dólar. Onde eu poderia comprar dólar mais barato?
– Geralmente deixamos para comprar em cima da hora e compramos lá no aeroporto mesmo!
– Existem 4 principais formas de comprar dólar no Brasil: Casa de Câmbio, Corretora de Câmbio, Cartão de Crédito e Cartão Pré-pago de Moeda.
– Você precisa entender primeiro o que é o SPREAD: É aquela taxa que você SABE que tá pagando, mas não sabe QUANTO.
– Quando você compra através de uma casa de câmbio no aeroporto ou no shopping, você acaba tendo mais comodidade. Por isso, você acaba pagando mais caro (entre 4,5% e 8% de spread), além de ter IOF de 1,1%.
– Quando você compra dólar através de uma corretora de câmbio, você tem que se preparar antes, e por isso você acaba pagando mais barato (entre 1,5% e 3,5% de spread) mais o IOF de 1,1%.
– No Cartão de Crédito você não tem nenhuma regra de cobrança de spread, então as operadoras do cartão podem cobrar 10% por exemplo, e você não tem a noção do dólar que você travou! Além de tudo, tem o IOF de 6,38% sobre o total do seu dinheiro.
– No cartão pré-pago de moeda (visa travel money, por exemplo), você já trava o dólar antes, mas você também tem o IOF de 6,38%.

Conversões de Moedas em Dólar

O dólar tornou-se a moeda referência no mundo na primeira metade do século XX, quando o padrão ouro, adotado até então, caiu. Até o início da Primeira Guerra Mundial, as instituições financeiras de cada país adotavam uma taxa fixa para suas moedas em relação ao outro.

As negociações comerciais eram feitas respeitando esse preço fixo, impedindo que alguns países alterassem sua taxa de câmbio para aumentar suas exportações e reverter déficits comerciais para garantir a estabilidade da economia (veja na tabela abaixo algumas conversões de moedas em dólar).

As discussões sobre o novo modelo começaram durante a Segunda Guerra Mundial, e consolidou-se a visão de que a melhor estratégia seria algo similar à adotada durante o padrão ouro, com uma taxa de câmbio fixa, baseada em uma moeda forte. A moeda seria obviamente do país que fosse considerado capaz de ser o regente da orquestra, naquela época, os Estados Unidos.

O dólar americano é a moeda emitida pelos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pelo FED. O dólar é usado tanto em reservas internacionais como em livre circulação. O dólar hoje existe em moedas e cédulas, sendo as moedas dividas novas valores de 1, 5, 10, 25 e 50 cents e 1 dólar. As notas que circulam hoje tem os seguintes valores: 1, 2, 5, 10, 20, 50 e 100 dólares.

Além dos Estados Unidos, alguns outros países utilizam o dólar, são eles: Timor-Leste, Porto Rico, Ilhas Virgens Britânicas, Equador, El Salvador, Ilhas Marshall, Estados Federados da Micronésia, Palau, Panamá, Turcas e Caicos e Zimbábue.

Dólar Hoje

Acompanhe aqui as últimas notícias sobre o dólar e também a cotação em tempo real da moeda estrangeira.

suno research recomendação

19 thoughts on “Como Comprar Dólar sem Pagar IOF…

  1. Armando Responder

    Tentei usar um APP pra comprar dólar. Foi difícil alguém responder, os que aceitaram todos desistiram. Dá um frio na barriga e resolvi comprar em casa de câmbio mesmo. Guardo uns trocados para o apocalipse zumbi.

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Bom dia Armando!

      Me parece que o clima de insegurança que vivemos aqui no Brasil não permitirá que este App vá para frente. É uma pena pois a ideia é boa.
      Qual critério você usou para escolher a casa de câmbio?

      Abraço!

      • Armando

        Meu critério foi proximidade do estabelecimento. Assim que a cotação cai eu acompanho a casa de câmbio até refletir isso. Quando sobe noto que eles atualizam rapidinho. Pensei em ver no banco, mas achei enrolado e não tão perto.

      • Ábaco Líquido Autor do post

        Valeu Armando!

  2. investidorinternacional Responder

    Olá Uó,

    Na minha opinião, abrir conta fora do Brasil e usar o cartão diretamente no dólar é a melhor opção.

    Você vai comprando frequentemente e essa volatilidade e incerteza nem aparecem.

    Abçs!

  3. Anônimo Responder

    Ola Uó – tudo bem ? Nas viagens que fiz sempre levei dolar em especie … e o cartão de credito para alguma emergencia. Eu vou comprando mes a mes, dependendo da antecedencia que tenho do dia da viagem; mas mesmo quando é uma viagem mais “de surpresa” sempre levo dinheiro em especie.
    Sei da preocupação com a segurança, mas nunca tive esse tipo de problema. Eu divido o dinheiro em alguns compartimentos; levo um pouco na carteira, levo um pouco em um porta moeda que vai preso no meu corpo, um pouco fica na mochila, um pouco em um compartimento da mala, etc…
    Parece estranho, mas realmente dependendo do destino o nivel de segurança é muito alto – só nao pode querer levar todo o dinheiro com voce em lugares famosos por existir batedor de carteira (como metro de Paris, por exemplo).

    Quanto ao aplicativo, eu nao tenho coragem de marcar um encontro com desconhecido para comprar dolar – o cara sabe que eu estou levando dinheiro e acho que pode ser uma oportunidade para assalto.

    Eu tenho colegas no trabalho que compram dinheiro dos carregadores de mala nos aeroportos – eles costumam receber gorjetas em dolares e voce sempre consegue comprar com eles. Um dos meus colegas já tem o contato estabelecido e avisa alguns meses antes da viagem qual o valor que vai precisar – depois passa no aeroporto e compra os dolares do carregador de malas que ja reservou para ele e ate indica outros colegas que tem mais dolares. Pelo menos a transação é feita no aeroporto – um ambiente mais movimentado e vigiado.

    Um grande abraço,

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Opa!

      Esta dica dos carregadores de mala é quente, nem imaginaria isto. Obrigado pela rica contribuição ao post.

      Grande abraço!

  4. Daniel Pires Pessoa Responder

    Pra quem viaja com frequência, ou quer fazer um pouco de proteção, mantendo reserva em moeda forte, também tem a possibilidade de abrir uma conta, legalmente, no exterior. O menos complicado é pelo Bbamericas. O IOF é de apenas 0,38%, e o VET é pouco acima da cotação do dólar comercial.

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Olá Daniel!

      Obrigado pela sugestão. Você tem conta lá?

      Abraço!

  5. Vagabundo Responder

    pra perder menos é melhor levar um pouco em espécie comprado em casa de cambio. Pros EUA eu levaria 500 tranquilo, escondo na cueca e pronto. Levar real até hoje só vi funcionar na argentina, uruguai e chile. Esse app aí eu nao confio.

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Rapaz… basta puxar a ficha de antecedentes criminais do sujeito, rs.

  6. ANDRE R AZEVEDO Responder

    Olha Uó… nesse negócio de comprar dólar para viajar só existe uma certeza… vc vai perder dinheiro, sempre!

    A gente tem de analisar o quanto vale a pena ficar se preocupando muito com isso (claro que uma pesquisa básica deve ser feita) ou fechar os olhos e ligar o fxda-se…

    Opinei antes da minha viagem sobre o app, como vc citou acima. Voltei semana passada da viagem e compartilho outra coisa para se analisar muito bem: trocar os reais aqui ou lá fora.

    Nessa viagem que fiz para Argentina e Santiago, a diferença das casas de câmbio aqui e lá eram surreais. Nossos reais valiam muito mais em ambas as cidades. Será que até nisso o “custo-Brasil” influencia? Ou é a mais pura malandragem? Para esses dois países, nem pense em fazer câmbio no Brasil. Vá com reais e compre a moeda local.

    Agora, como será o dólar em outros países? Será que lá não sairia bem mais barato fazer a troca? Muitas vezes temos o paradigma de ter que levar dólar… E se levarmos real? Pontos a se pensar…

    Por falar na minha viagem, postei um trecho dela hoje no blog por sugestão sua, lembra? O link é: http://www.viagemlenta.com/2017/05/de-sao-pedro-de-atacama-ao-salar-de-uyuni-o-que-nao-esta-escrito-por-ai.html

    Grande abraço e parabéns pelo trabalho e pela extensa pesquisa!

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Bom dia André!

      Gostei muito desta sua contribuição. Agora você vai ficar nos devendo um post a respeito,rs. De qualquer forma esta sua experiência relatada já servirá de alerta para os turistas.

      Obrigado e Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.