Zygmunt Bauman 1925-2017

Faleceu hoje o sociólogo Zygmunt Bauman, aos 91 anos, em Leeds, cidade inglesa onde vivia desde 1971. Bauman era considerado um dos intelectuais mais importantes do último século, tendo trabalhado incansavelmente até os últimos momentos de sua vida. 

O sociólogo nasceu na Polônia (Poznan, 1925) e era criança quando sua família, judia, fugiu do nazismo em direção à União Soviética. Embora tenha retornado à Polônia anos depois, onde foi professor da universidade de Varsóvia, foi destituído do posto e expulso do Partido Comunista após ter suas obras censuradas.

Em 1968, finalmente deixou o país, motivado pelas perseguições antissemitas que sofrera em decorrência da guerra árabe-israelense. Renunciou à sua nacionalidade, emigrou a Tel Aviv e se instalou, depois, na Universidade de Leeds, onde desenvolveu a maior parte do seu trabalho.

Zygmunt Bauman

Bauman foi criador do conceito de “modernidade líquida”, usada para definir as condições da “pós-modernidade” e discutir as transformações do mundo moderno nos últimos tempos. Vale lembrar que o nome deste site foi inspirado nas suas obras (Ábaco Líquido – Abacus Liquid)

Zygmunt Bauman escolheu o “líquido” como metáfora para o estado dessas mudanças: facilmente adaptáveis, fáceis de serem moldadas e capazes de manter suas propriedades originais. As formas de vida moderna, segundo ele, se assemelham pela vulnerabilidade e fluidez, incapazes de manter a mesma identidade por muito tempo.

Fases de Zygmunt Bauman

Fonte: El País

zygmunt bauman frases1. “As redes sociais são uma armadilha”.

2. “O velho limite sagrado entre o horário de trabalho e o tempo pessoal desapareceu. Estamos permanentemente disponíveis, sempre no posto de trabalho”.

3. “Tudo é mais fácil na vida virtual, mas perdemos a arte das relações sociais e da amizade”.

4. “Esquecemos o amor, a amizade, os sentimentos, o trabalho bem feito. O que se consome, o que se compra, são apenas sedativos morais que tranquilizam seus escrúpulos éticos”.

5. “Os grupos de amigos ou as comunidades de bairro não te aceitam sem dar razão, mas ser membro de um grupo no Facebook é facílimo. Você pode ter mais de 500 contatos sem sair de casa, você aperta um botão e pronto”.

6. “Foi uma catástrofe arrastar a classe média à precariedade. O conflito não é mais entre classes, é de cada um com a sociedade”.

7. “As desigualdades sempre existiram, mas de vários séculos para cá se acreditou que a educação podia restabelecer a igualdade de oportunidades. Agora, 51% dos jovens diplomados estão desempregados e aqueles que têm trabalho têm empregos muito abaixo das suas qualificações. As grandes mudanças na história nunca vieram dos pobres, mas da frustração das pessoas com grandes expectativas que nunca se cumpriram”.

Livros da Série “Líquido” de Zygmunt Bauman

Para situar o leitor no pensamento do sociólogo Zygmunt Bauman, reuni algumas resenhas logo abaixo. São pequenos trechos, as resenhas completas podem ser acessadas nos respectivos links.

Zygmunt Bauman – A Cultura no Mundo Líquido Moderno

zygmunt bauman a cultura no mundo liquido modernoUm dos mais brilhantes e influentes pensadores da atualidade, Zygmunt Bauman rememora os deslocamentos históricos do conceito de cultura e examina seu destino num mundo marcado pelas novas e poderosas forças da globalização, da migração e da coexistência bélica de populações.

Em sua formulação original, há dois séculos, a “cultura” deveria ser um agente de mudança, uma missão empreendida com a finalidade de educar “o povo”, propiciando-lhe melhores condições de pensar e de criar. Porém, em nossa era líquida, a cultura perdeu seu papel missionário e se tornou um artifício de sedução.

Ela não busca mais esclarecer as pessoas, e sim atraí-las. Sua função não é satisfazer necessidades existentes, mas criar outras, garantindo que as antigas se mantenham sempre insatisfeitas.

A cultura agora se tornou objeto da moda: é uma gigantesca loja de departamentos com as prateleiras superlotadas de produtos cobiçados, estimulando desejos cuja gratificação é eternamente adiada.

Ao mesmo tempo em que se padroniza, no entanto, a cultura já não é universal, ela se especializa. Hoje existem “culturas”, e o “multiculturalismo” na verdade significa indiferença em relação ao outro.

Mas Zygmunt Bauman aponta uma chama de resistência aos poderes globalizados e de luta pelo direito de ser igual: exatamente ali onde os guetos se formam, é possível construir um espaço de convivência no qual todos são convocados a aprender com os outros

Fonte

Zygmunt Bauman – Amor Líquido

zygmunt bauman amor liquidoZygmunt Bauman procura investigar porque as relações humanas estão cada vez mais flexíveis, gerando níveis de insegurança que aumentam a cada dia. Os seres humanos estão dando mais importância a relacionamentos em rede que podem ser desmanchados a qualquer momento e muito facilmente.

Sendo este contato apenas virtual, as pessoas não sabem mais como manter um relacionamento a longo prazo. E isso não acorre apenas nas relações amorosas e vínculos familiares, mas também entre os seres humanos de uma maneira geral.

Os relacionamentos em geral, estão sendo tratados como mercadorias. Se existe algum defeito, podem ser trocadas por outras, mas não há garantia de que gostem do novo produto ou que possam receber seu dinheiro de volta.

Hoje em dia os automóveis, computadores ou telefones celulares em bom estado e em bom funcionamento são trocados como um monte de lixo no momento em que aparecem versões mais atualizadas. E assim acontece com os relacionamentos, não gostou, pode trocar, assim ninguém sofre.

Também existem os relacionamentos de bolso, do tipo que pode-se usar e dispor quando for necessário e depois tornar a guardar para ser utilizado numa outra ocasião. A sociedade atual está criando uma nova ética do relacionamento, os relacionamentos estão cada vez mais fragilizados e desumanos.

A definição romântica do amor, está fora de moda. O amor verdadeiro em sua definição romântica, foi rebaixado a diversos conjuntos de experiências vividas pelas pessoas, nas quais referem-se utilizando a palavra amor. Noites avulsas de sexo são chamadas de “fazer amor”.

Hoje é muito fácil de se dizer “eu te amo”, pois não existe mais a responsabilidade de estar mesmo amando, a palavra amor foi rotulada de uma forma, em que as pessoas nem sabem direito o que sentem, não conseguem definir uma diferença entre amor e paixão, por exemplo, e mesmo assim utilizam incorretamente esta palavra, que perdeu sua importância.

Fonte

Zygmunt Bauman – Medo Líquido

zygmunt bauman medo liquidoMedo Líquido é a tentativa de Zygmunt Bauman em descrever alguns aspectos do medo na modernidade líquida. Além das análises do momento histórico atual, algumas categorias muito importantes são explicadas.

O livro, pelo menos pra mim, foi um pouco demorado, portanto uma resenha decente teria, não sei, algo em torno de [coloque aqui um alto número de páginas]. Como a intenção é ser um apanhado geral, a economia passa a ser referência na escrita.

Para Zygmunt Bauman, há três formas do medo afligir as pessoas em nossa sociedade líquida: 1) pelo medo de não conseguir garantir o futuro, de não conseguir trabalhar ou ter qualquer tipo de sustento, 2) pelo medo de não conseguir se fixar na estrutura social, que significa, basicamente, o medo de perder a posição que se ocupa, de cair para posições vulneráveis e 3) o medo em torno da integridade física.

Zygmunt Bauman também toma o conceito de “medo derivado”. Ao contrário do medo primário, o medo derivado (que é secundário) é um medo inculcado socialmente. O medo primário se trata do medo da morte na sua forma mais pura: é o medo de levar um tiro quando se está na guerra; já o medo secundário é aquele que nos obriga a seguir pelo caminho mais longo para não passarmos pelo meio da favela.

Fonte

Zygmunt Bauman – Tempos Líquidos

zygmunt bauman tempos liquidosZygmunt Bauman fala sobre medo e insegurança. Os perigos que enfrentamos hoje são maiores do que os de outros tempos? Viver é mais difícil? O que há por trás dessa “indústria” da insegurança na qual estamos inseridos? Estamos?

O olhar do autor não é subjetivo e vago ao tentar responder. É direto e esclarecedor, atentando para a forma como o ambiente das cidades – inicialmente construídas para fornecer abrigo entre seus muros – acabou sendo transformado em espaço de medo e desintegração.

Um mundo de tempos líquidos, e daí o título da obra. Conceitos como governo, religião, comunidade, família, etc., antes “sólidos pilares” (será?), dissolvem-se em meio a redes sociais novas, onde rotinas de comportamento são quebradas e valores são questionados frente a uma liberdade individual “teoricamente infinita” e igualmente quebrada e questionável.

Mas essas mudanças – e a rapidez com que elas ocorrem – cobram um preço alto, nem sempre pago com facilidade (algumas promoções vendem felicidade aceitando cartão de crédito? Ora, ora, lá vamos nós, aderindo ao crédito fácil e enredados em novas redes).

Zygmunt Bauman reflete sobre os efeitos dessa “rapidez” em nossa vida, nos laços afetivos, na capacidade de amar, de ver, perceber, opinar. Os olhos ainda podem ser livres? Algum dia já foram? O que são olhos livres? O que é o sentir livre?

Fonte

Zygmunt Bauman – Vida Líquida

zygmunt bauman vida liquidaNeste livro “Vida Líquida” ele aborda a relação humana em uma sociedade consumista, e essa sociedade acaba valorizando mais o que é temporário. E essa é a definição de sociedade líquido-moderna que ele aborda logo no início ele define de forma mais clara:

A “Líquido-moderna” é uma sociedade em que as condições sob as quais agem seus membros mudam num tempo mais curto do que aquele necessário para a consolidação, em hábitos e rotinas, da forma de agir.

O autor nos leva a questionar e duvidar de tudo que tem sido nos apresentados. Ele resume muito bem essa vida líquida, onde ela […]é uma vida precária, vivida em condições de incerteza constante.

As preocupações mais intensas e obstinadas que assombram esse tipo de vida são os temores de ser pego tirando uma soneca, não conseguir acompanhar a rapidez dos eventos, ficar para trás[…]. A vida liquida é uma sucessão de reinícios. E neste mundo líquido-moderno, a lealdade é motivo de vergonha, não de orgulho.

Zygmunt Bauman inicia falando sobre os indivíduos, onde ser um indivíduo significa ser igual a todos no grupo, ou seja, idêntico aos demais. Ele trata muito pela individualidade. Mais à frente ele trata dos heróis numa sociedade consumista, onde se tornam celebridade e perdem sua eternidade.

Não lutam por uma causa nobre, os heróis atuais servem apenas de matriz para serem copiadas esteticamente. Zygmunt Baumam também aborda sobre a formação da cultura e seu valor no mercado, a autor diz que são os mercados que ditam o que é essencial para a cultura e não ao contrário. Naturalmente, são os critérios do mercado de consumo, do tipo que estabelece uma preferência pelo consumo, a satisfação e o lucro instantâneos.

O autor, fala sobre os consumidores ele começa dizendo que a sociedade de consumo tem por base a premissa de satisfazer os desejos humanos de uma forma que nenhuma sociedade do passado pode realizar ou sonhar. A sociedade de consumo consegue tornar permanente a insatisfação. Uma das formas de causar esse efeito é depreciar e desvalorizar produtos de consumo logo depois de terem sidos alçados ao universo dos desejos do consumidor.

Fonte

Zygmunt Bauman – Modernidade Líquida

zygmunt bauman modernidade liquidaO livro Modernidade Líquida, escrito por Zygmund Bauman retrata a mudança da sociedade sólida para a líquida. Sua liquides faz com que ela seja mais bem adaptada aos meios, preencha um ambiente, que com a mesma facilidade se esvai deste local, para assim tomar outra forma. Ao contrário da solidez, que não consegue preencher um ambiente que não seja de sua forma.

A sociedade moderna líquida não se fixa a um espaço ou tempo, sempre dispostos à mudanças e livres para experimentar algo novo. Manter uma forma fixa não é tão fácil como simplesmente tomar nova forma, e tomar nova forma é fonte de força e invencibilidade, se adapta ao ambiente e tira o melhor dele para si, depois parte para a próxima forma. Com isso, as formas de poder na sociedade estão sendo realocadas e redistribuídas, e os objetos não duráveis tomam conta e a durabilidade já não tem mais o mesmo valor. As diversas famílias se deparam com moldes diferentes e valores invertidos.

No primeiro capitulo, Zygmunt Bauman traz o conceito de emancipação, que é tornar-se livre, independente. Ser liberto é se libertar daquilo que nos impede de movimento, e sentir-se livre é não ter empecilho para se movimentar. Diz que devemos nos emancipar da sociedade, nos tornar livre da sociedade. Contudo, o ser deve ser livre para se movimentar se livrando daquilo que tira a liberdade de movimento. Portanto deve tomar seu estado líquido.

Todos querem a liberdade para fluir e tomar seus lugares diversos e mudar constantemente e, portanto, deixaram de indagar os porquês de cada situação. Na modernidade a crítica não é bem recebida. Aceita tudo o que se tem e o que lhes é oferecido, pois já tem sua liberdade ganha. As críticas se transformam em reflexões e questionamentos.

Fonte

Mundo Líquido por Leandro Karnal

Artigos Relacionados

9 thoughts on “Zygmunt Bauman 1925-2017

  1. Pingback: Como ser Feliz Trabalhando - Satisfação no Trabalho é Possível?

  2. Celso Maia Reply

    A assim vai mais um. Bauman. Não há o que lamentar desse fato. Mas, há que se lamentar o fato de que a mudança necessária e pedida numa obra tão profícua, não aconteceu.

    E a lista está acabando. Logo, Chomsky, Zizek, Eco, … e a maioria de nós, bastardos, ficaremos órfãos dessas construções de idéias que pretendemos, … nos mantém conscientes.

    Sobrarão somente os filhos desses criadores construtores, aqueles que agora fazem divulgar aquilo que seus pais escreveram. um divulgação que tende a morrer pela imposição do dinamismo das modificações numa comunicação que já nem mais é líquida, é vaporosa.

    • Ábaco Líquido Post author

      Realmente, do líquido vem o vapor, é a próxima fase da humanidade.
      Abraço!

  3. Frugal Simple Reply

    Eu conhecia vagamente o autor, li uma entrevista dele acho que na Veja há algum tempo.
    Impressionante é que era judeu e comunista, depois foi morar em Israel.
    Como ele não viu as atrocidades da Rússia no pós guerra?
    Antes mesmo do final da guerra já estava claro que o monstro Stálin já era bem maior, mais mortal e perigoso do que o próprio Hitler.

    Abraço Uó!

    • Ábaco Líquido Post author

      Obrigado pela contribuição Frugal!
      Abraço

  4. Maurício Veloso Queiroz Reply

    Triste notícia, soube só agora!

    Coincidência ou não, ontem o mencionei, indiretamente em meu primeiro post, ao tratar da “vida à crédito”, um dos seus objetos de pesquisa, e que muito me ajudou na dissertação. Aliás, acho mais importante a pesquisa de Bauman sobre o consumo de crédito do que a respeito da pós-modernidade.

    Descanse em paz!

    • Ábaco Líquido Post author

      “Bauman afirma em seu livro a Vida a Crédito que o capitalismo é um sistema parasitário. Como todos os parasitas, pode prosperar durante certo período, desde que encontre um organismo ainda não explorado que lhe forneça alimento. Mas não pode fazer isso sem prejudicar o hospedeiro, destruindo assim, cedo ou tarde, as condições de sua prosperidade ou mesmo de sua sobrevivência.”

    • mvelosoqueiroz

      Pois é, nem sempre o cientista é um entusiasta do que pesquisa. Por isso não se pode confundir a pessoa com o seu trabalho.

Comente...