Confira a Tabela IRRF 2018. Tabela do IRPF 2018 Ano Calendário 2017. Tabela Imposto de Renda 2018. Aprenda também como calcular Imposto de Renda e usar o simulador de imposto da Receita Federal. 

A Receita Federal espera receber em 2018 28,8 milhões declarações de Imposto de Renda da Pessoa Física, 300 mil a mais do que em 2017 (28,5 milhões). A expectativa é influenciada por crescimento da renda, com várias categorias com aumento salarial e aumento do contingente de pessoas empregadas.

O prazo para a entrega da declaração do Imposto de Renda para pessoas físicas começa em 1º de março e vai até o dia 30 de abril deste ano. Está obrigado a declarar quem recebeu rendimentos tributáveis, em 2017, em valores superiores a R$ 28.559,70. No caso da atividade rural, deve declarar quem teve receita bruta acima R$ 142.798,50.

Também estão obrigadas a declarar as pessoas físicas:

  • Residentes no Brasil que receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil;
  • Que obtiveram, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens e direitos, sujeito à incidência do imposto ou que realizou operações em bolsas de valores;
  • Que pretendem compensar prejuízos com a atividade rural;
  • Que tiveram, em 31 de dezembro de 2017, a posse ou a propriedade de bens e direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;
  • Que passaram à condição de residentes no Brasil em qualquer mês e assim se encontravam em 31 de dezembro;
  • Que optaram pela isenção do IR incidente sobre o ganho de capital com a venda de imóveis residenciais para a compra de outro imóvel no país , no prazo de 180 dias contados do contrato de venda.

O imposto sobre a renda ou simplesmente imposto de renda é um tributo da espécie imposto existente em vários países, em que cada contribuinte, seja ele pessoa física ou pessoa jurídica, é obrigado a pagar uma certa porcentagem de sua renda para o governo, nacional ou regional, a depender de cada jurisdição.

O cálculo do tributo tem por base uma nova riqueza produzida pelo contribuinte, seja por fruto de trabalho, capital, ou ambos (rendimentos tributáveis), sobre a qual se aplica uma porcentagem (alíquota), obedecendo tabela produzida pelo organismo fiscalizador de cada país.


A tabela do imposto de renda 2018 serve para definir o IR de acordo com as faixas de rendimentos dos contribuintes. Esta tabela deve ser usada para a verificação dos seus rendimentos totais no ano em relação às alíquotas e deduções estabelecidas. Se você não sabe o que são alíquotas, nada mais é é do que o valor percentual usado para fazer o cálculo do imposto de renda a ser pago.

O responsável em autorizar as alíquotas incidentes é o próprio Governo Federal. Porém, o órgão responsável pela administração e fiscalização do imposto de renda é a Receita Federal. A incidência das alíquotas varia de acordo com a renda do contribuinte. Quem tem renda mais baixa paga menos imposto ou não sofre incidência da tributação abaixo de um piso e quem tem renda mais alta paga mais imposto.

Na tabela do IR que será apresentada  é possível perceber que temos a base de cálculo que é o salário mensal auferido pelo trabalhador, a alíquota incidência sobre o mesmo e também a parcela a deduzir do IRPF. A tabela do imposto de renda 2018 ano-calendário 2017 será a mesma do ano passado. Veja a seguir a tabela de incidência progressiva mensal conforme site da receita.

Base de cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a deduzir do IRPF (R$)
Até 1.903,98
De 1.903,99 até 2.826,65 7,5 142,80
De 2.826,66 até 3.751,05 15 354,80
De 3.751,06 até 4.664,68 22,5 636,13
Acima de 4.664,68 27,5 869,36

Veja a seguir a tabela de incidência progressiva anual conforme perguntão da receita.

Base de cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a deduzir do IRPF (R$)
Até 22.847,76
De 22.847,77 até 33.919,80 7,5 1.713,58
De 33.919,81 até 45.012,60 15 4.257,57
De 45.012,61 até 55.976,16 22,5 7.633,51
Acima de 55.976,16 27,5 10.432,32

Sem correção há mais de 2 anos e com sucessivos ajustes abaixo da inflação nos anos anteriores, a tabela do imposto de renda já acumula uma defasagem de 88,40% desde 1996. Como não houve nenhuma correção pela inflação na tabela do IR em 2018, na prática, os brasileiros pagaram mais imposto de renda no ano passado na comparação com 2017. A última atualização da tabela vigente foi feita em 2015, quando o governo promoveu um reajuste escalonado, com validade de abril em diante. A média da correção foi de 5,6%.

Se esta defasagem fosse corrigida, a faixa de isenção, que hoje é para quem ganha até R$ 1.903,98, subiria para aqueles que recebem até R$ 3.556,56. O valor permitidos para as deduções também aumentaria. No caso do desconto por dependente, passaria de R$ 2.275,08 ao ano para R$ 4.286,28 ao ano, segundo o Sindifisco Nacional.

Fonte



Mudanças do Imposto de Renda 2017 para o IRPF 2018

A Instrução Normativa 1.756, publicada no Diário Oficial da União em 6 de novembro de 2017, alterou a Instrução Normativa RFB nº 1.500, de 2014. O objetivo foi unificar a legislação sobre o imposto da pessoa física e orientar o contribuinte com relação à interpretação que vem sendo adotada pela Receita Federal. O principal objetivo da instrução normativa é esclarecer ao máximo o contribuinte que, por não ter clareza de informações, muitas vezes acabava caindo na malha fina, e agora terá menos dor de cabeça ao declarar.

O principal recado da Receita Federal nessa consolidação é sobre o carnê leão. Na instrução normativa antiga, a Receita dizia “recolhimento mensal, carnê leão”. Agora, diz “recolhimento mensal obrigatório”. Ou seja, a Receita Federal, ao colocar a palavra “obrigatório”, será muito mais rigorosa com recolhimento do carnê leão daqui para frente.

Além de deixar claro que os bens regularizados no exterior precisam constar na Declaração de bens, a Receita faz uma menção a rendimentos desses bens em exercícios subsequentes. Em 2014, os bens no exterior tiveram rendimentos que deveriam ter sido pagos na declaração de 2015. Como não foram, o governo permitiu que fosse feita uma declaração retificadora de 2015 até 31 de outubro de 2016, quando terminava o prazo de regularização no exterior, sem multa, só com juros.

Em função de modificações no Código Civil, também houve mudanças nas normas de declaração de dependentes, esclarecendo procedimentos no caso de guarda compartilhada. Com as novas normas, cada filho pode ser considerado como dependente de apenas um dos pais. Trata-se de tema complexo, que carregava dúvidas por parte dos contribuintes e até mesmo dos especialistas do setor. A partir de agora, encerram-se essas dubiedades, especialmente a que rege os gastos relativos aos filhos em guarda compartilhada, sendo possível a dedução (como dependente) apenas por aquele que for contemplado na decisão judicial.

Outro ponto que a instrução da Receita esclarece diz respeito ao abatimento de despesas médicas prestadas em um ano e pagas no ano seguinte. “Você leva seu filho ao médico em dezembro e paga o médico em janeiro, quando ele não é mais seu dependente”, exemplifica Libertuci. Para evitar isso, a norma trouxe o entendimento de que são indedutíveis as despesas médicas pagas em determinado ano-calendário quando incorridas em ano-calendário anterior e referentes a dependente tributário relacionado apenas na DAA (Declaração de Ajuste Anual) do ano-calendário em que se deu a despesa.

No caso de beneficiários de planos de saúde familiares. Se o pai paga a despesa total da família (esposa e filhos), é comum que ele lance na declaração apenas o valor total do pagamento. Mas o correto é declarar cada valor em separado, discriminando cada um dos beneficiados. A IN também trouxe regras para a dedução de despesas com procedimento de reprodução assistida. No caso de gastos com fertilização in vitro, a norma deixa claro que só a mulher pode fazer o abatimento. Não é possível, portanto, o marido solicitar o recibo no nome dele para pedir o desconto. Mas se o recibo estiver em nome da mulher e ela for dependente do marido na declaração, é possível fazer o abatimento.

A norma também esclarece também que só há isenção do imposto sobre a renda em relação aos rendimentos decorrentes de auxílio-doença, que possui natureza previdenciária, não havendo isenção para os rendimentos decorrentes de licença para tratamento de saúde, por ter natureza salarial. Em relação às bolsas concedidas pelas Instituições Científica, Tecnológica e de Inovação (ICT) para realização de atividades de pesquisa, a Receita explica que elas são como doação e não configuram vínculo empregatício e, por isso, estão isentas do imposto sobre a renda.

A isenção para lucro na venda do único imóvel, de até R$ 440 mil, no caso de casais com separação de bens, ficou mais clara também. Ela passa para R$ 880 mil no caso do imóvel único; o casal vende e cada um tem isenção de R$ 440 mil. Segundo a IN, fica reconhecida a isenção do ganho de capital auferido na alienação do único imóvel de até R$ 440 mil, na hipótese de o bem ter sido adquirido por cônjuges casados obrigatoriamente sob o regime de separação de bens; os requisitos devem ser verificados individualmente, por cônjuge, observada a parcela que couber a cada um.

De acordo com a Instrução Normativa RFB nº 1.760, publicada no Diário Oficial da União em 20/11/2017, a Receita Federal reduzirá para oito anos a idade mínima de dependentes para apresentação do CPF para a declaração do Imposto de Renda de 2018. Até o momento, a regra valia somente para crianças a partir de 12 anos. De acordo com nota divulgada no site da Receita, “a redução da idade visa evitar a retenção em malha fiscal do contribuinte declarante, possibilitando maior celeridade na restituição do crédito tributário”. Já a partir de 2019, será obrigatório que conste na declaração os dados de todas as pessoas físicas que sejam dependentes, de qualquer idade.



Como Calcular o IRRF 2018?

O imposto de renda é um tributo cobrado pela Governo Federal através da Receita Federal mensalmente e é calculado baseando-se na renda mensal do contribuinte. Dessa forma, o valor do seu salário e outros recebimentos são considerados na hora do cálculo do IRRF 2018. Apesar disso, o processo é mais complexo do que parece e envolve alíquotas progressivas e outros detalhes.

Não é todo recebimento que entra na conta do imposto de renda. De maneira geral, há uma divisão entre rendimentos tributáveis e rendimentos isentos. O seu salário, por exemplo, é um rendimento tributável, mas um recebimento de dividendos de empresa não é. Outro exemplo: o valor recebido de um aluguel é tributável, mas um rendimento de poupança é isento.

Desta forma, o imposto de renda é apenas calculado com base nos rendimentos tributáveis. Contudo, para ser justo, o governo definiu que que ganha menos paga menos e quem ganha mais paga mais. Desta forma, foi criada a tabela do IRRF que é progressiva de acordo com alíquotas diferentes por faixa de rendimentos.

Desconto do INSS

A lei define que todo trabalhador sob o regime da CLT é obrigado a contribuir com a Previdência Social (INSS). O valor dessa contribuição varia de acordo com o salário e isto influencia o cálculo do imposto de renda pois a parcela paga ao INSS deve ser descontada na base de cálculo do IR. Com isso, é possível que uma pessoa saia de uma faixa de tributação para uma com alíquota menor devido a esse desconto.

Além do desconto do INSS, é possível fazer outras deduções, de modo a diminuir o valor do imposto a ser pago. É possível deduzir gastos relacionados à saúde, educação, pensão alimentícia, investimentos na previdência privada e um valor por número de dependentes (atualmente R$ 189,59 mensal por dependente).

Observação: O desconto do INSS é calculado em cima do total dos vencimentos e contempla as seguintes remunerações:

  • Salário base;
  • Adicionais de insalubridade, periculosidade e noturno;
  • Alimentação;
  • Auxílio doença (15 dias da empresa);
  • Aviso prévio trabalhado;
  • Bolsa de estudo;
  • Comissões, gorjetas, gratificações e prêmios;
  • Décimo terceiro salário (paga sobre o total ao se pagar a segunda parcela);
  • Décimo terceiro proporcional (rescisão);
  • Férias normais com 1/3;
  • Habitação;
  • Horas extras;
  • Salário maternidade.

Exemplos de Cálculo de IRRF

Suponha que você receba 2.000 reais mensais. O primeiro passo é calcular o desconto do INSS. A tabela de contribuição mensal do INSS poderá ser utilizada para consulta sobre as faixas de salários e respectivas alíquotas de incidência para o cálculo da contribuição a ser paga ao INSS. As categorias de empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso possuem faixas e alíquotas distintas das de contribuinte individual e facultativo.

Tabela para Empregado, Empregado Doméstico e Trabalhador Avulso 2017
Salário de Contribuição (R$) Alíquota
Até R$ 1.659,38 8%
De R$ 1.659,39 a R$ 2.765,66 9%
De R$ 2.765,67 até R$ 5.531,31 11%

Estas alíquotas entraram em vigor no dia 1 de janeiro de 2016. Para conferir atualizações, recomendamos o acesso direto ao site da Previdência neste link

Tabela para Contribuinte Individual e Facultativo 2017
Salário de Contribuição (R$) Alíquota Valor
R$ 937,00 5% (não dá direito a Aposentadoria por Tempo de Contribuição e Certidão de Tempo de Contribuição)* R$ 46,85
R$ 937,00 11% (não dá direito a Aposentadoria por Tempo de Contribuição e Certidão de Tempo de Contribuição)** R$ 103,07
R$ 937,00 até R$ 5.531,31 20% Entre R$ 187,40 (salário mínimo) e R$ 1.106,26 (teto)

Sendo assim, obrigatoriamente você irá contribuir para o INSS com 9% sobre R$ 2.000, ou seja, será realizado um desconto de R$ 180. Caso você tivesse um salário superior a R$ 5.531,31 que é o teto atual da tabela do INSS, o desconto seria de 11% sobre o valor teto de R$ 5.531,31 que daria hoje R$ 608,44. Isto ocorre porque o valor de R$ 5.531,31 corresponde ao valor máximo pago pelo INSS na forma de aposentadoria aos seus contribuintes.

O segundo passo é subtrair as deduções de dependentes. Suponha que você tenha apenas um dependente, sendo assim deverá se subtraído o valor de R$ 189,59. Você poderá também subtrair valores de pensão alimentícia quando em cumprimento de decisão judicial, o valor pago em previdência privada, Funpresp, FAPI – parcela isenta de aposentadoria, reserva remunerada, reforma e pensão para declarantes acima de 65 anos. Após estas deduções, você obterá o valor base de cálculo do desconto do imposto de renda.

O terceiro passo é consultar a tabela do IRRF mensal para verificar em qual faixa se enquadra o seu valor base e qual a alíquota a ser paga. Suponha que após realizar as suas deduções você encontrou um valor base de 1.700 reais. Como este valor está abaixo de 1.903,98 que é o valor limite de isenção, então você não terá imposto de renda retido na fonte. Caso você tivesse obtido um valor superior a 1.903,98 reais, teria então que verificar na tabela progressiva qual faixa de alíquota deveria ser usada.

O quarto passo é subtrair a parcela a deduzir do valor encontrado no terceiro passo. A parcela a deduzir também pode ser encontrada na tabela progressiva do IRRF. Esta parcela tem o objetivo de garantir que mesmo que a pessoa tenha uma renda enquadrada na maior alíquota, a parcela da sua renda enquadrada nas primeiras faixas seja tributada pelas alíquotas correspondentes. O valor final encontrado será o valor do desconto do imposto de renda observado mensalmente em seu contracheque. A fórmula final fica:

IRRF mensal = {[Salário bruto – Deduções (INSS, dependentes, pensão alimentícia, previdência privada, etc)] x Alíquota} – Parcela a deduzir



Simulador IRRF

Mas você não precisa fiar fazendo tantos cálculos para conferir o IRRF do seu contracheque. A Receita Federal disponibiliza um simulador que irá facilitar sua conferência. Para utilizá-lo basta entrar com o total de rendimentos tributáveis, a contribuição ao INSS, a quantidade de dependentes e outras deduções permitidas. Clicando na figura abaixo você acessará este simulador do IRRF.

simulador irpf 2018

Conheça a seguir os principais números do imposto de renda 2018…

multa irpf-2017

A multa por atraso na entrega da declaração do IRPF 2018 é cobrada quando o contribuinte estiver obrigado a apresentar a declaração e a entrega for realizada após o último dia de entrega do Imposto de Renda, que é 30 de abril.

idade minima cpf irpf 2018

A Receita Federal reduziu a idade mínima exigida para inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) das pessoas que forem incluídas como dependentes na declaração do Imposto de Renda 2018. Com isso, dependentes com mais de 8 anos terão que tirar CPF para serem incluídos na declaração. Antes, o órgão exigia o documento apenas para o dependente com mais de 12 anos.

limite educacao irpf 2017

Na declaração completa do imposto de renda 2018, é possível abater despesas com educação até o limite de R$ 3.561,50. Podem ser abatidas apenas despesas com ensino técnico, fundamental, médio, superior, pós-graduação, mestrado e doutorado. Esse tipo de despesa dedutível não inclui gastos com materiais escolares e atividades extracurriculares, como escolas de línguas ou cursinhos preparatórios.

duducao dependente irpf 2017

Quem optar pela declaração completa do IRPF 2018 poderá abater um valor de até R$ 2.275,08 por cada dependente informado na declaração.

declaracao simplificada irpf 2017

As deduções de despesas, como gastos com educação e saúde no IRPF 2018, além do abatimento de dependentes, só são permitidas se o contribuinte optar pelo modelo completo na hora de preencher a declaração do imposto de renda 2018. Isso porque a opção por preencher a declaração simplificada garante um abatimento único de 20% sobre a renda tributável. Neste ano, o desconto único de 20% é limitado ao teto de R$ 16.754,34.

O desconto único de 20% gerado pelo preenchimento da declaração no modelo simplificado pode ou não ser mais vantajoso do que o desconto obtido pelo abatimento individual das despesas dedutíveis na declaração completa.

Para saber qual tipo de declaração é mais vantajosa, basta preencher toda a declaração com os dados exigidos. Antes do envio do documento, o programa gerador da declaração indica automaticamente qual modelo implica em em menos imposto a pagar ou maior valor a ser restituído.

bens irpf 2017

Os cidadãos que possuíam, em 31 de dezembro, posse ou propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000 são obrigados a enviar a declaração IRPF 2018, assim como os que passaram à condição de residente no Brasil em qualquer mês do ano passado e estavam nesta condição na data.

No caso de imóveis, está obrigado quem optou pela isenção do imposto sobre a renda incidente em relação ao ganho que obteve na venda do bem e utilizou o dinheiro para comprar outro imóvel residencial no país, no prazo de 180 dias contados da celebração do contrato de venda.

rendimento nao tributavel irpf 2017

Deve declarar também quem recebeu em 2017 rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000. E ainda aquele que obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas.

rendimento tributavel irpf 2017

Neste ano de 2018, é obrigada a declarar a pessoa física residente no Brasil que, em 2017, recebeu rendimentos tributáveis cuja soma foi superior a R$ 28.559,70.

atraso irpf 2017

Caso você deva imposto, o valor a ser cobrado de multa é de 1% da dívida por mês de atraso. Assim que transmitir a declaração em atraso, o contribuinte receberá uma notificação de lançamento da multa. A Receita Federal explica que a multa para quem deve imposto é de 1% ao mês-calendário ou fração de atraso, calculada sobre o total do imposto devido apurado na declaração. Isso mesmo que o valor tenha sido integralmente pago, sendo o valor mínimo de R$ 165,74 e o valor máximo de 20% do imposto sobre a renda devido.

suno research recomendação

52 comentários em “Tabela Progressiva Imposto de Renda 2018

  1. MARIA LUCIA STAPE Responder

    QUAL FOI A ALIQUOTA DO IR DE 2017 E QUAL E´A DE 2018?
    POR QUE TODO MUNDO ESTÁ PAGANDO MAIS IMPOSTO ESTE ANO? O QUE MUDOU?

  2. Stéfane Responder

    A empresa ou instituição pública em que trabalhamos pode somar no “total de rendimentos” o valor da contribuição previdenciária oficial e do Imposto REtido na fonte? Ou seja, está o valor do que eu recebi líquido acrescido dos valores dos descontos de INSS e IRPF… É assim, mesmo?

  3. DIRCEU Responder

    até onde o brasileiro vai admitir que o governo não corrija a tabela de ir, defasada em mais de 88%. Isso é no minimo desumano para com todos os trabalhadores, term mais esta sobrecarga de imposto. É muita safadeza desse governo safado…..

  4. Rose Responder

    Minha mãe era dependente do meu pai e ela nunca declarou imposto de renda.
    Em abril do ano passado, ela passou a receber pensão por morte e o extrato do inss na parte
    3 – Rendimentos Tributáveis, Deduções e Imposto Retido na Fonte
    1 – Total de Rendimentos (inclusive férias) é de 26.138,061

    Como ela não tem nenhuma outra fonte de renda (meu pai era o único provedor da casa) e nenhum bem em seu nome, significa que ela não precisa declarar esse ano pois está abaixo dos 28.559,70 certo?

    Daí eu só precisaria entregar a declaração de espólio inicial do meu pai, imagino eu. O inventário deve ser finalizado esse ano e daí ano que vem só vou precisar declarar o espólio final, sem espólio intermediário. Ufa.

  5. Bete Responder

    Bom dia, ano passado com ano base em 2016 tive R$83000 de rendimentos tributáveis no total e tive q pagar, no final, R$560 reais de imposto. Este ano, com ano base em 2017 tive R$ 71000 dee rendimentos tributáveis e o imposto a pagar tá dando R$ 1300. Como pode isso?

  6. Val Responder

    Boa tarde. Iniciei como corretora de imoveis autonoma a menos de um ano. Estou recebendo mensalmente 400,00 como comissão de aluguel. Deste valor, somente 140,00 serão declarados pelo meu pagador PF. Preciso fazer declaração de Imposto de renda e fazer o carne leão?

  7. paulo reis Responder

    Bom dia, obrigado pela atenção, eu sinceramente não entendo, se até 28.559,70 é isento. Se o ganho foi de 30.000,00, como fica o calculo do imposto, já que até 28.559,70 é isento, então eu pago sobre o excesso que deu desse valor, quase 2.000,00, é assim que funciona

  8. Ula Medeiros Responder

    Bom Dia,

    Parabéns pelo post que é bastante útil e esclarecedor, mas tenho uma pergunta e gostaria de saber se pode me auxiliar. Recebi valores referentes à direitos autorais, como pessoa fisica ( terceiros) e li que os descontos de tributação de IR variam de 7,5% à 27,5%. Fiquei em dúvida se devo considerar cada ganho individualmente, como se fossem valores mensais, já que sao flutuantes, ou o valor total ganho no ano. Pergunto isto, pois aparentemente na tabela anual o percentual parece menor. Por exemplo, teoricamente eu cairia na aliquota de 22,5% ao invés de 27,5%, fazendo por cada valor individualmente.
    Att,
    Ula

  9. SERGIO RICARDO Responder

    Tenho uma dependente e ela pagou R$ 187,40 por mês durante os 12 meses do ano de 2017.
    Onde devo colocar esse valor pago mensalmente por ela no meu I.R. uma vez que declaramos o I.R. conjuntamente?
    Obrigado.

  10. Tiago Ferreira Responder

    Boa noite.
    Será que o senhor poderia, por gentileza, esclarecer a seguinte dúvida:
    Aluguei, em 2017, um apartamento para pessoa jurídica. Recebi 28.000 reais. Contudo, descontando iptu, condomínio e corretagem, recebi 14.000 reais. Tenho q declarar ou estou isento? em caso de isenção, tenho q registrar isso na declaração??

    Muitíssimo obrigado

    • Anônimo Responder

      primeiro verifique se a pessoa jurídica descontou o irrf no código 3208 pois qualquer valor é obrigatório, se foi descontado vc está obrigado a declrar porque a pj deverá fazer a dirf e logo a pf fica obrigado a declarar.

  11. Maria I Mello Responder

    Boa tarde!

    O valor dos rendimentos de dependentes , no exercicio de 2017, continuou igual ao de 2016?

  12. Ricardo B Responder

    Olá!
    Na última declaração de IR inclui a minha esposa como minha dependente devido ao seu rendimento ser igual a zero. Em jun/17 alugamos um imóvel e obtivemos a receita liquida mensal de R$ 1.260,00 no ano calendário 2017. Para evitar a tributação desse valor na minha declaração de IR, pois somaria às minhas receitas, estou realizando uma declaração do IR/18 separada para ela com o valor dessa receita.
    Dúvidas: Ela precisa realizar declaração de IR, visto que os rendimentos tributáveis dela estão abaixo do teto de R$ 28.559,70? É necessário realizar o pagamento do Carne Leão uma vez que o rendimento mensal do aluguel esta abaixo da faixa? Seria suficiente para a RFB somente exclui-la (dependente) da minha declaração de IR e não realizar a declaração dela.

    • Alexandre M Responder

      Olá.
      É obrigatória a declaração da sua esposa, pois é a única forma da receita entender que o imposto sobre a renda deste imóvel foi devidamente cobrado; inclusive em ambas as declarações deve constar CPF do cônjuge neste item específico (o imóvel) junto com descrição apropriada para que a Receita entenda que foi declarada a renda do imóvel do casal na declaração da esposa.
      O rendimento está abaixo do mínimo para o Carnê Leão, portanto não é necessário. Mas caso o valor do aluguel suba para acima do mínimo no futuro, pague todos os carnês, mesmo que atrasado, antes da declaração, pois isso evitará multas relativamente maiores.

      Espero ter ajudado. Abraço.

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Ricardo,

      Em 2018 está obrigado a declarar quem recebeu mais do que R$ 28.559,70 em 2017, isso com rendimentos tributáveis. Alguns exemplos de um pagamento com rendimento tributável são: salário, aposentadoria, pensão e aluguel, entre outros. Se os rendimentos de aluguel ficarem abaixo de R$ 28.559,70 então ela não está obrigada a declarar.

      Mas tem um detalhe:

      Se o imóvel é um bem comum do casal, tanto a declaração de bens como o rendimento de aluguel poderão ser informados integralmente em uma das declarações ou 50% em cada uma. Desta forma, entendo que se a esposa declarar 100% do aluguel, então deveria também na incluir declaração dela 100% dos bens comuns do casal. E isto pode obrigá-la a entregar a declaração caso o total dos bens supere R$ 300 mil reais em valor. De qualquer forma não sei se existe esta obrigatoriedade de lançar os rendimentos e os bens comuns da mesma declaração. Até fiz esta pergunta para a Receita Federal mas a resposta que eles me deram não foi conclusiva, veja só…

      Existe a opção de dividir 50% dos rendimentos comuns, ou de colocar 100% dos rendimento comuns na declaração de um dos cônjuges, Mas estes percentuais são sobre os rendimentos comuns totais, e não item a item.

      Fundamento: ajuda do DIRPF 2018, ver p. 11:

      Contribuinte Casado Apresenta declaração em separado ou, opcionalmente, em conjunto. Declaração em separado
      a) cada cônjuge deve incluir na sua declaração os rendimentos próprios e 50% (cinquenta por cento) dos rendimentos produzidos pelos bens comuns, compensando 50% (cinquenta por cento)
      do imposto pago ou retido sobre esses rendimentos, independentemente de qual dos cônjuges tenha sofrido a retenção ou efetuado o recolhimento; ou
      b) um dos cônjuges inclui na sua declaração os rendimentos próprios e o total dos rendimentos produzidos pelos bens comuns, compensando o valor total do imposto pago ou retido na fonte, independentemente de qual dos cônjuges tenha sofrido a retenção ou efetuado o recolhimento. Neste caso, o outro cônjuge inclui na sua declaração somente os seus rendimentos próprios.

      Em relação aos bens privativos ou comuns, verifique as instruções de preenchimento da Declaração de Bens e Direitos.

    • Anônimo Responder

      Veja o seguinte, de quem é o imóvel alugado? seria correto juntar os rendimentos mesmo que tenha que pagar ir. verificar se o valor mensal dá para tributar ir, foi alugado para PF ou PJ? deverá fazer um análise geral de sua declaração.

  13. Ana Paula Responder

    Prezados, boa tarde.

    Sou advogada autônoma e recebi honorários contratuais neste mês de março, ao final da ação, os quais foram reservados no precatório da minha cliente. Como pago mensalmente o Carnê Leão, preciso saber se neste mês eu também devo aplicar os valores por mim recebidos na tabela de retenção do carnê leão, ou seja, na alíquota de 27,50%. Pode me responder? Obrigada

  14. Gisa Responder

    Boa tarde

    Incluir meu esposo como depedente mensal na folha de pagamento devido ser beneficiário da assistencia medica. Devo declara-lo no IRRF?

  15. Leonardo Responder

    Bom dia…ficou meio confuso a parte onde diz que quem teve ganhos tributáveis abaixo de R$ 28.559,70 não precisa declara entretanto na tabela no começo do artigo está com valor de R$22.847,77 já começa a incidir a alíquota de 7,5%, isso não da a entender que quem ganhou acima de R$22.847,77 tem que declarar?

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Bom dia Leonardo, são duas coisas distintas mas isto pode confundir mesmo, vou tentar explicar melhor…

      Ponto 1: Se você recebeu de 22.847,77 até 33.919,80, então paga imposto de renda a uma alíquota de 7,5%.

      Ponto 2: Quem teve ganhos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 precisa fazer a declaração anual do imposto de renda.

      Ponto 3: Quem ganhou acima de R$ 22.847,77 só precisa fazer a declaração anual do imposto de renda caso o valor total dos rendimentos tributáveis for superior a R$ 28.559,70.

      Veja que há uma sutil diferença entre quem paga imposto e quem declara o imposto. Pagar imposto quase todo mundo paga mensalmente (aqueles que ganham acima de 1.903,98 no mês), mas só vai ser obrigado a declarar anualmente quem ganhar acima de certo valor, que neste ano é R$ 28.559,70.

      Mas veja bem, mesmo que você não esteja obrigado a declarar, pode até ser vantajoso fazer a declaração anual. Por exemplo, se o contribuinte recebe rendimentos anuais inferiores ao da faixa de obrigatoriedade, mas, por algum período, recebeu valor superior ao de isenção na tabela progressiva da Receita Federal, pode ser interessante declarar para reaver a retenção que deve ter sido feita pelo contratante.

      São muitos os casos em que o contribuinte tem direito a reaver o imposto retido, embora não se enquadre em nenhuma das dezenas de obrigatoriedades listadas pelo Fisco. Além disso, a pessoa teria cinco anos de prazo para prestar contas e reaver o dinheiro.

  16. Cássia Saramento Responder

    no meu comprovante de rendimento veio 8.836. Preciso declarar? Qual o teto?

  17. Anonimo Responder

    Bom Dia!

    No meu COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE, no item 3.01 TOTAL DOS RENDIMENTOS (INCLUSIVE FÉRIAS) TEM 26.629,75.
    Isso significa que não preciso fazer a declaração do IR? Ou tenho que somar mais algum valor?

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Opa,
      Está obrigado a declarar quem recebeu rendimentos tributáveis, em 2017, em valores superiores a R$ 28.559,70. No caso da atividade rural, deve declarar quem teve receita bruta acima R$ 142.798,50. Também estão obrigadas a declarar as pessoas físicas residentes no Brasil que receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil.

      • Anonimo

        Obrigada!
        mas isso é só para este item TOTAL DOS RENDIMENTOS (INCLUSIVE FÉRIAS) ou devo adicionar o valor do 13º salário?

      • Ábaco Líquido Autor do post

        13o. é um rendimento tributado exclusivamente na fonte e por isto entra na regra dos R$ 40 mil.

  18. Júnior Responder

    Boa noite.
    No comprovante de rendimentos da minha mãe, que é aposentada e completou de 65 anos em junho de 2017, veio total de rendimentos tributáveis de R$ 100.000,00 e a informação no rendimentos isentos e não tributáveis de R$ 13.327,86. Já o 13º salário líquido veio R$ 7.300,00. Quando eu for preencher os rendimentos tributáveis recebidos de PJ eu informo R$ 75.248,26? Como faço?

    Obrigado.

  19. DEBORAH SOUZA Responder

    Boa tarde, qual o valor a ser deduzido no imposto por dependente?

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Deborah,
      O valor da dedução por dependente em 2018 para quem optar pela declaração completa é de até R$ 2.275,08 por cada dependente informado na declaração.

  20. Ricardo Responder

    Boa tarde, gostaria de saber se posso declarar meu pai como dependente. Ele recebeu 24751,74 na parcela Rendimentos isentos, e 4759,36 na parcela Rendimentos Tributáveis como aposentado… ele tem 68 anos…

  21. Jayme Ribeiro Responder

    Boa noite!

    Pergunta:
    Minha tia é aposentada (12181,00/ano/2017 – INSS) e agora recebe pensão por morte do esposo (25074,62/ano/2017 – FUNASA). E tem mais de 65 anos. Somo tudo e desconto os 24751,62 (acima 65 anos)? S e sim! Como faço?

    Jayme

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Jayme,

      O aposentado ou pensionista com mais de 65 anos tem direito a apenas a uma parcela de isenção no Imposto de Renda, mesmo que receba de mais de uma fonte, como é o caso da sua tia. A parcela adicional de isenção atual é de R$ 1.903,98.

      Cada fonte pagadora traz esses valores separados no informe de rendimentos, mas o contribuinte pode deduzir apenas uma vez a parcela de isenção permitida. Cabe ao contribuinte informar corretamente os valores na declaração.

      A parcela isenta da aposentadoria deve ser declarada na ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” com o código “10 – Parcela isenta de proventos de aposentadoria, reserva remunerada, reforma e pensão de declarante com 65 anos ou mais”

      O que ultrapassar esse valor deve ser declarado na ficha “Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Jurídica”.

      Já a parcela do 13º salário recebida pelas pessoas acima de 65 anos deve sempre ser declarada como isenta, independentemente do número de benefícios que tenha. Caso o valor ultrapassar o limite aceito no código 10, a parcela excedente deve ser informada na ficha Rendimentos Isentos com o código “24 – Outros”.

  22. REINALDO CESAR Responder

    GOSTARIA APENAS DE LHE AGRADECER PELA BELA CONTRIBUIÇÃO DO SEU SITE AOS BRASILEIROS.
    ME FOI DE MUITA VALIA !
    MUITO GRATO, DE CORAÇÃO !
    AS EXPLICAÇÕES SÃO CONCISAS E FÁCEIS DE SE ENTENDER !
    VOCÊ FAZ PARTE DA GAMA DE BRASILEIROS QUE O BRASIL PRECISA !
    FIQUEMOS TODOS NA PAZ DE DEUS E QUE O NOSSO PAÍS SEJA ABENÇOADO POR DEUS !

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Bom dia Reinaldo!
      Agradeço enormemente o seu feed back. Estamos aqui para descomplicar.
      Abraço e sucesso!

  23. José Gilberto Dolci Responder

    Recebi dois informes rendimentos do ano 2017. Em ambos foi atribuído os cálculos de maior que 65 anos.
    Como faço na declaração. No caso, escolho uma e nessa somos os dois valores: R. tributavel + R. Insento maior que 65 anos e lanço o total.

  24. Waldemar Pereira dos Santos Responder

    Boa noite. Sou aposentado e notei que no extrato do INSS desse ano (2018) para fins de declaração de renda, consta a parcela isenta de R$ 24.751,74, o mesmo valor do extrato do ano passado. Está correto ou é um erro de lançamento do INSS? Obrigado

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Olá Waldermar,

      Está correto. O valor não mudou de 2017 para 2018…

      “Os aposentados e pensionistas que completaram 65 anos de idade em 2017 contam com um limite de isenção mensal na tabela do Imposto de Renda. O valor mensal é de R$ 1.903,98, o que leva o limite anual de isenção a R$ 24.751,74. Esse é o valor máximo que pode ser lançado na ficha Rendimentos isentos e não tributáveis e corresponde aos limites mensais que vigoraram em 2017 mais o 13º salário.”

  25. Anônimo Responder

    Surreal…..Daqui um tempinho quem ganha salário mínimo vai pagar IRRF , é brincadeira viu não aumentar a tabela , esse governo que mesmo ver o brasileiro na merda!!!!

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Aqui neste país aumenta tudo menos a tabela do IR. Complicado.

  26. Anônimo Responder

    Bem explicado!
    Agora, o que o governo federal vem fazendo com à correção da tabela do ir é brincadeira e desrespeito com o povo trabalhador que almeja sucesso financeiro!

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Enquanto o governo estiver com déficit duvido que vá corrigir a tabela do Imposto de Renda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.