Petróleo Hoje

Notícias do petróleo hoje, preço do petróleo e gráfico do petróleo em tempo real.

petroleo hoje

 

Veja também…

> Mercado Financeiro
> Indicadores Financeiros
> Dólar Hoje
> Minério de Ferro Hoje
> Aço Hoje

 

Petróleo Hoje (01/12/2016 09:30) – Reuters: Os preços do petróleo continuam em alta nos mercados internacionais nesta quinta-feira, mantendo os grandes ganhos após a OPEP e a Rússia terem concordado em restringir a produção, mesmo quando os analistas avisaram que outros produtores provavelmente aumentarão a oferta.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo acordou nesta quarta-feira a sua primeira redução na produção de petróleo desde 2008, depois que o líder Arábia Saudita, aceitou retirar a exigência do Irã também cortar a produção.

O acordo também incluiu a primeira ação coordenada do grupo com a Rússia não pertencente à OPEP em 15 anos. Na quinta-feira, o Azerbaijão disse que também está disposto a participar em negociações sobre cortes.

“A OPEP concordou com um corte histórico de produção”, disseram analistas da AB Bernstein. “O corte de 1,2 milhão de barris por dia (bpd) estava na extremidade superior das expectativas (0,7-1,2 milhões de bpd). Um corte adicional de 0,6 milhões de bpd de países não-OPEP poderia significativamente adicionar ao que foi anunciado pela OPEP. ”

“A OPEP assinou um acordo”, disse Jason Gammel, do banco de investimento norte-americano Jefferies. “Por enquanto, os preços do petróleo receberam um enorme apoio”. O acordo da OPEP desencadeou uma negociação frenética, com os volumes de negociação futuros do Brent para fevereiro e março, quando o corte de oferta começará a ser visível no mercado, atingindo volumes recordes.

O contrato de Brent de março de 2017 negociou um recorde de 783.000 lotes de 1.000 barris cada um na quarta-feira, no valor de US $ 39 bilhões e superando um recorde anterior de pouco mais de 600.000 alcançado em setembro. Isso representa mais de oito vezes ao dia o consumo mundial de petróleo bruto.

Apesar do acordo, algumas dúvidas sobre o corte continuaram. “O ceticismo permanece no seguimento de cada país, o que está mantendo os preços abaixo dos máximos do ano (de US $ 53,73 por barril em outubro) por enquanto”, disseram analistas do Morgan Stanley.

Apesar do salto nos preços, eles ainda estão apenas nos níveis de setembro/outubro – quando os planos para um corte foram anunciados pela primeira vez – e os preços estão em menos da metade dos seus níveis de meados de 2014, quando o excesso global começou.

A OPEP produz um terço do petróleo global, ou cerca de 33,6 milhões de bpd, e o negócio visa reduzir a produção em 1,2 milhões de bpd a partir de janeiro de 2017, similar aos níveis de janeiro de 2016, quando os preços caíram para mínimos de 10 anos.

Os analistas disseram que os cortes deixariam o campo aberto para outros produtores, especialmente para os perfuradores de xisto nos EUA. “Não acreditamos que os preços do petróleo possam manter-se sustentavelmente acima de US $ 55 por barril, com a produção global respondendo primeiro e acima de tudo nos EUA”, disse Goldman Sachs.

Petróleo Hoje (01/12/2016 09:50) – Reuters: O rali dos preços do petróleo provocado pelo acordo entre a OPEP e Rússia para cortar a produção provavelmente será de curta duração, dizem os traders na Ásia, porque o acordo só poderá atrair mais abastecimentos de tanques de armazenamento e mais embarques brutos dos Estados Unidos.

E mesmo sem o aumento de suprimentos de outros países, se a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e a Rússia reduzirem a produção em 1,5 milhão de barris por dia (bpd) como prometido, os cortes não seriam suficientemente profundos para encolher um excesso que começou Construir em meados de 2014, disseram comerciantes.

“O corte da OPEP será amplamente compensado por aumentos na produção nos EUA, onde a contagem de sondas já aumentou”, disse o diretor de finanças da India Oil Corp., A K Sharma. “Assim, o excedente (petróleo) permanecerá no mercado, se houver algum impacto, será de curto prazo”.

Os preços mais altos do petróleo e os menores custos de produção estão encorajando os operadores de xisto dos EUA a aumentarem a produção, enquanto o Cazaquistão iniciou a produção no campo de Kashagan em outubro. Os comerciantes disseram que a extensão do impacto do acordo de saída também dependerá de como afeta as exportações da Arábia Saudita e outros membros da OPEP.

Cortes na oferta de exportação dos produtores podem vir de mudanças na tolerância operacional, uma cláusula contratual que permite que o comprador ou o vendedor aumentem ou reduzam volumes em até 10%, disseram fontes comerciais.

O acordo da OPEP “dará algum impulso nos preços, mas não pode ser comparado com o corte visto em 2008”, disse um trader cingapuriano, referindo-se ao último corte da produção da OPEP em 4,2 milhões de bpd. Os cortes de produção no início do ano também são uma resposta normal a uma temporada de baixa demanda em fevereiro e março, quando as refinarias asiáticas normalmente fecham para manutenção, disse ele.

Os preços mais rápidos também reduziram as estruturas de mercado do petróleo, levando potencialmente a liberação de petróleo do armazenamento, que poderia aumentar os estoques, disseram os traders. O petróleo é mais caro nos próximos meses em um mercado de contango, incentivando os comerciantes a armazenar a commodity, mas os suprimentos são retirados quando os spreads começam a enfraquecer.

Os cortes da OPEP virão principalmente da Arábia Saudita e de seus aliados do Oriente Médio, Emirados Árabes Unidos e Kuwait, de quem os bules mal importam, de modo que o impacto será mínimo, disse Zhang Liucheng, vice-presidente da Dongming Petrochemical Group, a maior refinadora independente do país.



B01 728x90

 

Cotação do Petróleo Brent Futuro

Para entender como é definido o preço do barril de petróleo hoje, lembramos que essa matéria-prima é uma energia fóssil produzida somente por alguns países como Arábia Saudita, Estados-Unidos, Rússia, Irã, Iraque, ou ainda China ou México. Ele é coletado por meio de perfuração e depois entregue, refinado ou não, aos países consumidores, principalmente europeus, americanos e asiáticos, permitindo produzir combustíveis, tal como gasolina ou óleo diesel, depois de refinado e tratado quimicamente. Em função de sua origem e destino final, o petróleo ganha nomes distintos e seu preço também pode variar.

Nas cotações do petróleo hoje, duas referências sobre tipos do barril são usadas no mercado: WTI e Brent. Há ainda o barril de Dubai, menos conhecido como preço de referência. Este diferencial de preço reflete basicamente as diferenças de qualidade e de custos de refino e transporte do petróleo.

O WTI (West Texas Intermediate) é o petróleo comercializado na Bolsa de Nova York, e se refere ao produto extraído principalmente na região do Golfo do México. Já o Brent é comercializado na Bolsa Londres, tendo como referência tanto o petróleo extraído no Mar do Norte como no Oriente Médio. Por esse motivo, o Brent é referência de valor para a commodity no mercado europeu e o WTI, no mercado americano.

Mas as diferenças vão além da geografia. Há diferenças também no grau de leveza desses petróleos. O WTI é mais leve e, portanto, mais fácil de ser refinado, o que geralmente confere um preço mais alto em relação ao Brent.

Petróleo WTI

Petróleo WTI é a sigla de West Texas Intermediate. A região do West Texas concentra a exploração de petróleo nos EUA.

  • É negociado em Nova York;
  • Serve de referência para os mercados de derivados dos EUA;
  • Tecnicamente, é um petróleo com grau API entre 38º e 40º e teor de enxofre de 0,3%, cuja cotação diária no mercado spot reflete o preço dos barris entregues em Cushing, Oklahoma, nos EUA;
  • Grau API é uma escala utilizada para medir a densidade relativa de líquidos. A escala API varia inversamente com a densidade relativa, isto é, quanto maior a densidade relativa, menor o grau API.

Petróleo Brent

Petróleo Brent refere-se ao óleo produzido no Mar do Norte (Europa).

  • É negociado em Londres;
  • Serve de referência para os mercados de derivados da Europa e Ásia;
  • Brent era o nome de uma antiga plataforma de petróleo (Brent Spar)da Shell no mar do Norte;
  • Tecnicamente, é uma mistura de petróleos produzidos no mar do Norte, oriundos dos sistemas petrolíferos Brent e Ninian, com grau API de 39,4º e teor de enxofre de 0,34%;
  • A cotação Brent é publicada diariamente pela Platt’s Crude Oil Marketwire, que reflete o preço de cargas físicas do petróleo Brent embarcadas de 7 a 17 dias após a data de fechamento do negócio, no terminal de Sullom Voe, na Inglaterra.

Preço do Petróleo e Outros Combustíveis

É por meio de uma unidade, o barril, que o petróleo bruto é cotado nos mercados financeiros, qualquer seja sua origem. É preciso saber que um barril corresponde a aproximadamente 159 litros. A cotação do barril de petróleo ocorre no mercado internacional 24 horas por dia. Veja abaixo o preço da Gasolina RBOB, o preço do Gasóleo Londres, o preço da Gás Natural e o preço do Petróleo.




300 x 250 IMU Medium Rectangle

 

Notícias do Petróleo Hoje

  • 9 oil price forecasts during Trump presidency
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    We're on a roll when it comes to accurately predicting major geopolitical events and their impact on oil prices. In our article titled Takeover of Oil by Militias" published in 2012, we successfully anticipated that Islamic militants (ISIS) would use oil revenues to fund the formation of […]

  • Trump, Clinton and oil prices
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    The November elections will hoist either Donald Trump or Hillary Clinton into the Presidency. Given that the US is one of the leading producers of oil , what will change with a new President? Well, to answer the question, the shortcut is to look at the 'one' the oil industry favors. Through it […]

  • The downside of low oil prices
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    At first sight it appears that low oil prices are good for society. A low oil price helps us save dollars at the pump, acts as an economic catalyst making exchanges cheaper and thereby stimulating the economy. However, there are downsides as well, often out-of-sight-out-of-mind and we will […]

  • Brexit, the Turkish coup and oil prices
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    We've been hearing a lot about Brexit. What is Brexit, by the way? Well, in June a referendum was held in Britain to decide whether the nation should remain with the European Union or not. The British people embraced uncertainty and voted to 'exit' the European Zone which is termed, Brexit. In a […]

  • Saudis lose US clout over oil price war
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    In an event that went largely unnoticed, we have, in fact, passed the point in human history where OPEC's key member Saudi Arabia can dictate oil prices any longer. No one seems to have taken in the momentous occasion if not comprehended its historical significance. Much hasn't been said or […]

  • Six reasons why oil prices reached new 2016 highs
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    Crude oil was at a 13-year record $25 low in mid-January 2016 and has soared more than 70 per cent since. The battle is on again. We are talking about the mighty forces whipping up the oil prices. How does the investor work out where the oil price will go? Ultimately, you have to make your own […]

  • Oil price at $35 amid bribery scandals
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    The Brent Crude Index hit $27.1 on January 20th this year - its lowest point since June 2003. The index's lowest point in the last 20 years was at $10.19 back in December 1998. As the price slid at the beginning of January this year, many analysts dusted down the history books and predicted that […]

  • How oil price volatility explains these uncertain times
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    The numbers say that these should be the best of times for America. The economy has been growing for five years. Unemployment is low. Inflation is almost nonexistent and gas is cheap. Yet, many Americans feel deeply uneasy about their future prospects. Uncertainty is the catchword of the moment. […]

  • Oil price in $20 range and 6 trends for the year
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    At last, the oil price has fallen in the $20 range. Its rate of decline is all the more impressive, having lost $10 - a third of its value - in one month. Although the price of a barrel of crude oil hasn't reached its all time low yet, adjusted for inflation, of $12.45 from December 1998, it will […]

  • Syrian war, oil prices and the Paris attacks
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    In our last article we predicted that thousands of hardened ISIS fighters, blending among refugees, would march into Europe undetected. We also advised our readers that this would spread distrust between European powers and borders would go back up in an attempt to stem the invasion, at the cost […]

  • Oil prices and the Syrian civil war
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    Most watch in disbelief as hordes of Middle Eastern migrants enter Europe with little to no resistance from border control. Whereas refugees are normally women and children, these migrants are for the most part young males of fighting age leaving a war zone. That prompts concerns on their true […]

  • Who benefits from lower oil prices?
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    Lower fuel prices are great for the consumer, but we know that not all of the cost saving of lower crude oil and gas prices have been passed on to the general public. Oil and gas refiners prosper from lower oil prices. Like the rest of the oil industry, refiners' revenues are down, but their […]

  • Why don't gas prices fall?
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    Since the price of crude oil started to tumble in June 2014, almost $80 has been wiped off the cost of a barrel of oil from the peak to the trough of oil market indices. As a barrel of oil represents 42 gallons, that price fall works out at about $1.60 per gallon. However, the pump price of a […]

  • Low Oil Price Challenge met with American Ingenuity
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    The price of oil has been falling since July of last year, and many industry analysts have struggled to find a direction in the market. Many wish the price of oil would rise again and seek any signs of their hoped-for increase; others can see no reason for a rise and explain that the low price of […]

  • The Top 6 Reasons Oil Prices are Heading Lower
    Posted on 01/01/1970 at 00:00

    Investors and speculators can make money in any market no matter which way prices move. In a rising market, you buy and then sell later at a higher price to make profit; in a falling market, you commit to sell and then buy later at a lower price (shorting). The key element on deciding on an […]

WorldOil

 

Mais Informações Sobre do Petróleo

Embora o petróleo faça parte do nosso quotidiano, poucas pessoas conhecem realmente sua origem e sua composição. Vamos tentar explicar aqui o que de fato é o petróleo bruto. O termo “petróleo” significa, literalmente, “óleo de pedra”. Efetivamente, é uma rocha em estado líquido. Faz vários séculos que a exploração do petróleo não parou de crescer e o petróleo bruto é hoje uma das principais fontes de energia do planeta. Para que lençóis de petróleo se formem, é preciso que o solo sofra três etapas importantes, a saber:

Acumulação de matérias orgânicas: Embora a maioria das matérias-orgânicas seja reciclada pela natureza, uma pequena parte permanece e se sedimenta.Então, ela é coberta pelos minerais que a rodeiam. Para que esse processo seja possível, a situação geográfica deve ser de um delta ou uma lagoa.

Processo de maturação das matérias orgânicas: Uma vez enfiadas no solo, as matérias-orgânicas são cobertas aos poucos com várias camadas de sedimentos. A camada de matérias-orgânicas é então chamada de “rocha fonte”. Sob o efeito da pressão exercida e da mudança de temperatura,ela se transforma em querogênio que vai, por sua vez, sofrer alterações (gêneses) progressivas. Esse querogênio é a matéria de base para a formação do petróleo.Em função da composição e das condições de soterramento das matérias orgânicas, esse processo pode também gerar gás natural. Após vários milhões de anos, os fluídos assim produzidos pelo querogênio se separam enquanto o querogênio permanece no mesmo lugar.

Acumulação dos hidrocarbonetos: A maior parte dos hidrocarbonetos tende a migrar para a superfície devido a sua leveza. Aí, são oxidados ou se degradam naturalmente. Entretanto, uma pequena quantidade desses hidrocarbonetos permanece retida na rocha, em uma parte permeável do solo frequentemente composta de areia. Chama-se tal zona de “rocha reservatório”. Essa rocha, recoberta por uma camada impermeável, impede os hidrocarbonetos de subirem para a superfície.

Uma jazida de petróleo, portanto, é o resultado desse processo em três etapas. Porém, por causa da movimentação permanente das placas tectónicas, não é raro que o petróleo siga viagem por debaixo do solo e se encontre em níveis mais ou menos profundos podendo se tornar gás natural.
Mas todos os petróleos não são idênticos. É o que explica que hoje se diferenciem os petróleos em função de sua origem e sua composição, a saber, a densidade, a fluidez e a quantidade de enxofre que contêm.

O Fenômeno dos Choques Petrolíferos e Sua Influencia na Evolução dos Preços

Muito se ouve falar de choques petrolíferos como momentos propícios para um súbito disparo dos preços do petróleo. Vários desses choques, de fato, marcaram a história do petróleo, dentre os quais os de 1973 e 1980 que contribuíram para um aumento espetacular das cotações, triplicando até o preço do barril em apenas algumas semanas. Assim, o barril atingiu a marca de USD 40,00 em 1980, antes de oscilar entre 15 e 35 dólares entre 1986 e 1999. A guerra do Golfo, em 1991, provocou uma nova especulação altista das cotações. Porém, a partir daí, o preço do barril continuou em alta com o terceiro choque petrolífero de 2003 e um pico em 145,00 dólares em 2008.

Correções Baixistas Frequentes, mas Pouco Duráveis

Considerando que a linha de tendência do petróleo bruto em longo prazo é resolutamente altista, essa tendência ampla é pontuada, às vezes, de micro movimentos baixistas.Foi, por exemplo, o caso entre 2008 e 2009 com uma queda do preço do barril de USD 145 para USD 40. Mas tal queda deixou lugar muito rapidamente para uma nova alta até USD 100 em 2011. Pois a oferta e a demanda não são os únicos fatores que influenciam a evolução da cotação do petróleo e as decisões políticas também possuem um papel importante nessa definição. É o que explica, entre outros motivos, a queda de 2011 seguidamente ao anúncio da AIE (Agência Internacional de Energia)em fornecer 2 milhões de barris por dia durante um mês. O efeito de rumores e os diversos conflitos que afetam atualmente os países produtores e os países consumidores têm tendência a fazer com que aumente o preço do barril ou, ao contrário, levá-lo para a baixa. No entanto, a tendência em longo prazo permanece definitivamente altista.

Tópicos Relacionados

Comente...