Alocação de Ativos de Investimentos

A Alocação de Ativos busca melhorar a relação entre o risco e o retorno através do dimensionamento dos recursos investidos nos diversos ativos financeiros de renda fixa e renda variável. Em outras palavras, o método de alocação de ativos preconiza que o investidor deve procurar diversificar seus investimentos em consonância com sua tolerância ao risco, metas e horizonte de tempo.

alocacao ativos

 

 

 

 

 

Estudos acadêmicos mostram que mais de 90% da variação do retorno de uma carteira de investimentos no longo prazo é atribuída a sua alocação de ativos.

A porção restante – menos de 10% – é atribuída ao market timing (momento de compra e venda de uma ativo) e à escolha de determinados ativos financeiros.

 

É importante frisar que cada investidor possui um perfil de risco, metas e horizonte de investimento específicos. Desta forma, cada investidor terá um critério de alocação de ativos particular. Logo abaixo, apresento minha alocação de ativos atual e a evolução da mesma ao longo dos últimos meses. Utilize estes dados apenas como ilustração e não como referência para definir a sua alocação. Se você não tem conhecimentos suficientes para tal metodologia, um profissional certificado poderá lhe auxiliar nesta tarefa.

alocacao ativos atual

alocacao ativos evolucao

Veja também…

> Rentabilidades
> Dividend Yield

Tópicos Relacionados

10 comentários sobre “Investimentos – Alocação de Ativos

  • olá Abacus L, Invisto já faz algum tempo e estava considerando investir em fundos de investimento para diversificar minha carteira, mas dei uma olhada nos disponíveis e me causaram uma impressão de ser investimentos bastante duvidosos, principalmente pela falta de informação da real composição da carteira do fundo. Sei que o come cotas digere uma boa parte da rentabilidade dessa classe, e na blogosfera a maioria não vê com bons olhos os fundos… ou praticamente não se fala em fundos. Fui pesquisar um pouco mais e encontrei o pessoal discutindo apenas sobre fundos DI ou de renda fixa e realmente vi que estes fundos contam com poucas vantagens. Minha dúvida é Fundos multimercados, fundos de ações, fundos de debentures incentivadas, fundo de moedas e demais fundos também sofrem o mesmo problema, são investimentos ruins? (compreenda ruim por não superar seu próprio Benchmark). O que você pensa sobre essa classe de investimento?

    • Olá Belmiro!
      De fato aqui na blogosfera de finanças quase ninguém investe em fundos. O pessoal é da corrente “faça você mesmo”. De qualquer forma, tem que se analisar o mercado com cautela, tem-se fundos e fundos. Há bons fundos e outros ruins. O grande desafio mesmo é analisar a infinidade de produtos no mercado e escolher um para você. Nem sei lhe dizer o que é mais difícil, se é montar uma carteira de investimentos por você mesmo ou se escolher um fundo de mercado dentre tantos que existem.
      Mas vou te dar um exemplo de um fundo multimercado que é considerado um dos melhores do Brasil: o Fundo Verde (link abaixo). Quem investiu dinheiro neste fundo ao longo dos últimos anos ganhou rios de dinheiro.
      http://files.verdeasset.com.br/pdf/rel_gestao/158094/Verde-REL-2016_09.pdf
      Minha opinião pode não ser válida para você, escolher uma classe de investimento depende muito do perfil da pessoa. Eu particularmente optei por gerenciar a minha própria carteira, mas o que é bom para mim pode não ser bom para você. A sugestão que lhe dou é estudar, estudar muito, como se diz: conhecimento é poder. E enquanto não tiver segurança para investir vai deixando o dinheiro em um título de renda fixa mais conservador, como o Tesouro SELIC por exemplo.
      Abraço!

      • Muito Obrigado pela resposta! Em minha busca sobre fundos reparei que analisar a premissa de situação se mostraria mais assertivo no meu caso.

        Quando um pequeno investidor entra em um fundo? Um pequeno investidor entra em um fundo por desconhecer o mercado, por medo de investimento ou por busca de uma praticidade e tranquilidade oriunda da terceirização da carteira, excetuando-se algumas situações decorrentes da liquidez que fundos possuem (manter fundos para colchão de reserva). A indicação de se entrar em um fundo por mera diversificação (como foi minha ideia original) é, em verdade, entrar em um fundo por desconhecimento do mercado, ou medo. Assim ficou fácil para mim analisar se eu devia ou não entrar em um fundo.

        O último ponto para terceirização da carteira é analisar a rentabilidade. O gestor profissional consegue fazer algo melhor do que o pequeno investidor “faz sozinho”? Esse último ponto é bastante complexo, pois analise de resultados depende do tempo avaliado e ciclo econômico, e existe uma ideia de que no longo prazo todos são vencedores. Mas se quiser simplificar é possível, simplesmente considerando que se deve vencer o benchmark todos os dias, de forma consistente. Creio que a consistência seja a chave de uma melhor avaliação, pois ganhos passados podem não acontecer no futuro, mas se apresenta uma recorrência de ganhos provavelmente a chance de manter-se ganhando é maior. Assim comparar minha própria rentabilidade com a rentabilidade do fundo também foi um ponto a ser considerado em minha decisão. Um ponto negativo nos fundos é que o imposto de renda consome bastante sua superioridade sobre a maioria das carteiras individuais. Um fundo que consegue 117% sobre o CDI anualmente de forma consistente foi muito bem, todavia descontando o IR ele perde do CDI. O pequeno investidor conta com algumas isenções que lhe ajudam muito na rentabilidade. E tristemente os fundos que conseguem uma predominância substancial e consistente em comparação aos índices são raros e praticamente inacessíveis ao pequeno investidor.

        Realmente o segredo é estudar bastante os instrumentos disponíveis e compreender ao máximo a imensa gama de investimentos existentes. Para alguns perfis de investimento fundos podem ser algo válido.

        Desculpe as divagações, mas usei esse espaço para consolidar e unir as ideias acumuladas sobre os fundos. Abraços

        • Olá Belmiro, fique a vontade para “divagar” por aqui, só vem a enriquecer o site.

          Mas suas ponderações não tem nada de divagação, são de reflexões baseadas em estudo sério.

          Acredito que a maioria das pessoas entram em fundos por desconhecimento do mercado como vc mesmo concluiu. E buscando a praticidade de delegar a gestão dos seus recursos financeiros a um gestor profissional.

          Esta questão de analisar rentabilidade histórica é o ponto de partida de todo mundo. Mas como sabemos, passado não garante futuro.

          Acredito também que não seja difícil gerir o próprio patrimônio alocando em renda fixa, ações, fiis, etc, sem a necessidade de recorrer a fundos. Mas será necessário tempo disponível para estudos, e acima de tudo disposição e satisfação em fazer a coisa. Mas poucas pessoas se dão ao trabalho.

          Abraço!

  • Sua curva de alocaçao mostra o quanto você é eficiente A.L. (aka Uó)! Em janeiro tirou grande parte do dinheiro da renda fixa para aquisição de açoes, bem na época da maior queda do IBovespa!!! Parabens!!

    • Olá Henriquei!
      Pelo contrário, não fui tão eficiente, comecei a torrar a renda fixa bem antes, em agosto do ano passado. Já em janeiro foi só raspa do tacho, rs. Acertar o timing perfeito é uma questão de sorte, nada mais.
      Mas eu fiz um movimento que me deixou satisfeito, vendi quase metade das ações comprando mais FIIs ao longo do primeiro semestre do ano passado. E guardei um pouco na renda fixa para comprar mais ações no segundo semestre.
      No momento atual não estou aportando na renda variável, estou engordando a renda fixa novamente, rs.
      Abraço!

      • Também to com a maior parte dos aportes na RF….ta dificil achar alguma açao boa que nao tenha subido mais de 60-80% em menos de 9 meses…

        • Henrique, a maioria subiu mesmo, mas ainda tem algumas ‘coisas’ esquecidas nos porões da BOVESPA, rs. Mas papéis bem especulativos na sua maioria. Recentemente comprei os seguintes: LOGN, IGBR, IDNT, BPAN, RNEW, EMBR, SUZB, FIBR e ETER. Mas são papéis muito perigosos, a IDNT3 por exemplo subiu hoje mais de 30%, é de dar medo, rs.
          Abraço!

          • Eu tb to de olho em EMBR, SUZB e também KLBN…mas só de olho mesmo, comprei só SUZB até agora…..

          • Opa!
            Peguei a EMBR nos 14.xx, a SUZB nos 9.xx e a FIBR nos 20.xx. Só compro mais se cair abaixo deste valores algo em torno de 15%.
            Abraço!

Comente...