Como a Operação Carne Fraca Afetou os Meus Investimentos

A Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal na semana passada, virou motivo de piada na internet com pessoas divulgando fotos de churrasco com papelão. Contudo os efeitos colaterais desta operação estão se mostrando graves e perigosos para o País. Não conhecemos ainda o nível das irregularidades praticadas no setor de processamento de carnes – o presidente do país afirma que são insignificantes – mas já vimos operações anteriores da PF em que estávamos encontrando apenas a ponta do iceberg. A divulgação de informações de forma alarmista, tanto pela PF quanto pela imprensa, pode ter um efeito devastador em um determinado setor da economia, uma espécie de autossabotagem, gerando uma inconsequente destruição de valor para um país cuja vocação principal é o agronegócio.

A Operação Carne Fraca tem sido apontada por alguns como o maior fiasco na história da Polícia Federal. Um fiasco que pode custar bilhões de dólares para o Brasil. Um grande prejuízo que será sentido não só pelas gigantes empresas processadoras de carne como também pelas pequenas famílias que tiram seu sustento da criação de frangos em granjas de pequeno porte.

A operação teve início com uma denúncia chegou há dois anos na ABIN (Agência Brasileira de Inteligência). O delator informou na ocasião que a Secretaria de Vigilância Sanitária no Paraná tinha sido loteada para o PMDB. Levantaram-se também provas de ilícitos em alguns frigoríficos.

Em uma situação como esta, as autoridades policiais e fiscais podem iniciar uma investigação sigilosa e eficiente ou criar um espetáculo midiático para chamar atenção. A primeira opção preservaria a saúde financeira de centenas de fornecedores e o emprego de milhares de trabalhadores.

Em casos de irregularidades como estes que envolvem saúde pública e práticas de corrupção, deve-se com certeza alertar o governo, as empresas envolvidas e a população. Porém de forma criteriosa e pensada. Fazendo assim, o governo não sofreria mais um processo de instabilidade, as empresas não estariam sujeitas a prejuízos bilionários e a população não estaria sujeita a consumir produtos de qualidade duvidosa.

Uma das denúncias mais graves, de que uma empresa misturava papelão às carnes, parece já ter caído por terra. Tudo indica que foi um mal entendido da PF, que divulgou uma gravação, em que um executivo falava, na verdade, da embalagem do produto. Um mal entendido que pode agora custar bilhões de dólares para a economia do país.

Não é a primeira vez que conversas telefônicas gravadas por grampo são divulgadas na mídia. Em episódios anteriores esta prática foi condenada por muitos juristas. Uma conversa solta jogada no ar pode soar como uma bomba, como de fato ocorreu.

Churrasco e Caipirinha para Acalmar os Ânimos

Se tem algo que admiro neste governo Temer é a velocidade em que as coisas costumam ocorrer. Claro que muitas vezes costumam trocar os pés pelas mãos, mas em casos de crise como este o governo não pode ficar parado vendo a “vaca ir pro brejo”. E foi com o objetivo de amenizar e esclarecer a situação para os importadores da carne brasileira que Michel Temer reuniu os embaixadores destes países para saborear um suculento rodizio regado a caipirinha em uma famosa churrascaria de Brasília.

Isto acabou gerando um mal estar pois foi divulgado na imprensa (ela novamente complicando as coisas) que a churrascaria em questão só servia carnes importadas. O governo afirmou que a escolha do lugar se deu por meio do cerimonial, que avaliou tamanho do lugar e proximidade com o Palácio do Planalto. Após o mal entendido, a assessoria do presidente divulgou nota informando que todas carnes servidas eram de origem brasileira. A Churrascaria informou que as carnes são compradas da Marfrig, Minerva e da JBS.

temer churrascaria

Contudo o esforço do presidente foi em vão. O mercado acordou na segunda feira com a notícia de que parte do mundo estava suspendendo a importação da carne brasileira e seus derivativos.  O Palácio do Planalto esperava que a rápida reação empreendida desde a deflagração da Operação Carne Fraca junto aos embaixadores dos principais importadores no Brasil fossem suficientes para acalmar os compradores internacionais. Não bastou e na segunda-feira as ações das principais exportadoras desabaram na bolsa.

Ficou claro que churrasco e caipirinha não eram suficientes para convencer os países importadores. O governo deverá ir muito além do combate a esse que está chamando de apenas “um problema pontual”. Deverá realizar uma limpeza profunda em todo o sistema de vigilância sanitária brasileira além de promover mudanças profundas na gestão do Ministério da Agricultura.

Em relação à conduta da Polícia Federal, há uma divisão de opiniões. Enquanto uns acreditam que a PF agiu de forma espalhafatosa criando um espetáculo desnecessário, outros defendem a conduta afirmando que a população deve ter conhecimento de todos os fatos. Mesmo que esteja em jogo um dos setores econômicos cruciais para o país, a PF insinua que o quadro pode ser ainda mais grave e muitas denúncias estão ainda em sigilo. Foi falado também que novas denúncias foram recebidas após a divulgação da Operação Carne Fraca.

Entenda a Operação Carne Fraca

A Operação Carne Fraca está sendo considerada a maior operação da história da Polícia Federal. O objetivo principal é desmantelar um esquema de pagamento de propina envolvendo funcionários do Ministério da Agricultura e empresários do ramo de processamento de carnes para relaxar a fiscalização e conseguir a liberação de licenças. A operação teve como alvos frigoríficos de pequeno porte e as gigantes BRF e JBS.

A Operação Carne Fraca revelou um esquema de pagamento de propina a fiscais agropecuários para liberar carnes adulteradas sem fiscalização. Segundo a PF, as empresas teriam também usado substâncias para maquiar a aparência de carnes vencidas, utilizado carne estragada na composição de salsichas e linguiças, cometido irregularidades na rotulagem e na refrigeração das peças e usado injetado em frangos água para aumentar o peso.

operacao carne fraca

Fonte G1

O escândalo envolveu cerca de 30 empresas do setor, incluindo as gigantes JBS, dona da Friboi a da Seara, e a BRF, dona da Sadia e da Perdigão. As ações destas duas empresas tiveram quedas fortes no pregão da última sexta e no primeiro pregão desta semana, após o mercado tomar conhecimento do embargo dos países importadores, as ações desabaram. Ocorreu também um efeito arrastão em outras empresas do mesmo setor que também caíram forte na segunda.

PF Presta Esclarecimentos Sobre a Operação Carne Fraca

Segundo reportagem da Globo, A Polícia Federal só reconheceu ontem – terça-feira – que as irregularidades investigadas na Operação Carne Fraca são pontuais e que o Sistema de Inspeção garante a qualidade da carne brasileira ao consumidor. A Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF) declarou em nota que “lamenta que a participação dos especialistas em fraudes alimentares não tenha sido devidamente empregada durante as investigações”.

“O dever de esclarecer publicamente que as afirmações relativas ao dano agudo à saúde pública, divulgadas na Operação Carne Fraca, não se encontram lastreadas pelo trabalho científico dos peritos criminais da Polícia Federal, sendo que apenas um laudo pericial, hábil a avaliar tal risco, foi demandado durante os trabalhos de investigação, sem que se chegasse, no entanto, à conclusão dos potenciais danos”.

Na última segunda-feira (20), o presidente da Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) também afirmou que houve erro na divulgação da Operação Carne Fraca.

“Eu acho que houve um equívoco de comunicação, quando afirma que foi a maior operação da Polícia Federal, talvez dando a entender que ela foi maior do que realmente pode ter sido. Pode ter problemas em alguns frigoríficos? Pode. Mas isso foi um problema sistêmico? Não vi os colegas da operação dizendo isso. Mas quando se coloca que foi a maior operação da história da polícia, leva a um entendimento que é algo que é muito maior do que pode ser na prática. Então nesse ponto em particular pode ter havido um erro de comunicação”

O diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daielo, foi ao Ministério da Agricultura para explicar a técnicos e ao secretário de Agricultura que a Polícia Federal não está investigando o sistema de inspeção dos produtos, mas a corrupção praticada por funcionários do ministério.

No fim do encontro, a Polícia Federal e o Ministério da Agricultura divulgaram uma nota conjunta em que afirmam que as irregularidades investigadas são pontuais, e que o Sistema de Inspeção Federal brasileiro já foi auditado por vários países que atestaram sua qualidade.

Frigoríficos Envolvidos na Operação Carne Fraca

O Ministério da Agricultura divulgou a lista de países que importaram produtos dos estabelecimentos investigados pela PF nos últimos 60 dias. O levantamento mostra que são 33 os países ou blocos que receberam carnes, miúdos e até mel e própolis produzidos pelas empresas acusadas de envolvimento no esquema.

A Rede Globo do Paraná pediu ao Ministério da Agricultura que esclarecesse os motivos que levaram a Polícia Federal a incluir 21 empresas do ramo de frigoríficos numa lista de suspeitas. Em resposta, o Ministério enviou uma planilha com os nomes das empresas, os produtos que fabricam e o que foi alvo de investigação em cada uma:

Empresa/Denúncia Área de Atuação/Produtos Produto Exportado Destino da Exportação
FRIGORÍFICO OREGON 

Corrupção; dificultar ações de fiscalização.

Carne de equino Não exportou *
FRANGO D M INDUSTRIA E COMERCIO DE ALIMENTOS

Corrupção

Carne de aves e produtos de aves  Pé de Frango Hong Kong
SEARA ALIMENTOS 

Irregularidades no procedimento de certificação sanitária.

Carne de aves e produtos de aves Carne Congelada de Frango União Europeia, Arabia Saudita, Aruba, Ilhas Canárias, Catar, Chile, China, Emirados Arabes Unidos, Iraque, Japão, Kuawit, Macedonia, Suiça e Venezuela
Carne Mecanicamente Separarada Africa do Sul
Miudos Congelados de Frango Albania, União Europeia, Angola, Hong Kong, Portugal,
Carne salgada congeladade frango União Europeia,
Carne Temperada Congelada de Frango União Europeia
PECCIN AGRO INDUSTRIAL

Utilização de carne estragada em salsicha e linguiça; utilização de carne mecanicamente separada acima do permitido; uso de aditivos acima do limite ou de aditivos proibidos.

Carne de suíno e produtos cárneos Não exportou *
BRF – BRASIL FOODS

Corrupção; embaraço da fiscalização internacional e nacional; tentativa de evitar suspensão de exportação.

Carne de aves (incluindo peru) e produtos de aves (incluindo peru) Carne Congelada de Peru Africa do Sul, União Europeia, Benin, Cuba, Gabão, Gana, Hong Kong, México, Russia, Suiça,
Carne congelada de Frango Antigua e Barbuda, Bahamas, Hong Kong,
Carne Temperada de Peru União Europeia
Miudos Congelados de Peru Hong Kong
Miudos congelados de frango Hong Kong
FRIGORIFICO ARGUS

Uso de senha de servidor do Ministério da Agricultura por funcionário da empresa.

Carne e produtos cárneos Não exportou *
FRIGOMAX FRIGORIFICO E COMERCIO DE CARNES 

Poluição ambiental e corrupção.

Produtos cárneos Não exportou *
INDUSTRIA E COMERCIO DE CARNES FRIGOSANTOS

Irregularidades em apuração.

Produtos cárneos Não exportou *
PECCIN AGRO INDUSTRIAL

Utilização de carne estragada em salsicha e linguiça; utilização de carne mecanicamente separada acima do permitido; uso de aditivos acima do limite ou de aditivos proibidos.

Produtos cárneos Não exportou *
JJZ ALIMENTOS 

Embaraço da atividade de fiscalização e corrupção.

Carne de bovino e produtos cárneos Miudos Congelados de Bovino Egito, Hong Kong, Egito,
Carne Congelada de Bovino Sem Osso Filipinas, Holanda, Hong Kong, Irâ-Rep.Isl.Do, Russia,Fed.Da,
Carne Resfriada de Bovino Sem Osso Holanda, Suiça
Despojos de Abate Congelados de Bovino Hong Kong
Miúdos Cozidos Congelados de Bovino Hong Kong
Despojos de Abate Congelados de Bovino
BALSA COMÉRCIO DE ALIMENTOS EIRELI

Irregularidades em apuração.

Produtos cárneos Não exportou *
MADERO INDUSTRIA E COMERCIO

Irregularidades em apuração.

Produtos cárneos Não exportou *
FRIGORÍFICO RAINHA DA PAZ

Corrupção

Carne de suíno e produtos cárneos Não exportou *
INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS S. S. P. M. A. 

Dificultar as ações de fiscalização.

Lácteos e produtos lácteos Não exportou *
BREYER & CIA 

Corrupção

Mel e produtos apícolas Propolis União Europeia
Mel Estados Unidos da América
FRIGORIFICO LARISSA 

Comércio de produtos vencidos; troca de etiquetas; transporte de produtos sem a temperatura adequada.

Carne de suíno e produtos cárneos Carne Congelada de Suino sem osso Argentina
Envoltorio Natural  de Suinos Cozido Congelado Hong Kong
Miudos Congelados de Suíno Hong Kong
Miudos Cozidos Congelados de Suinos Hong Kong
CENTRAL DE CARNES PARANAENSE 

Corrupção e injeção de produtos cárneos.

Carne de bovino Não exportou *
FRIGORÍFICO SOUZA RAMOS 

Substituição de matéria-prima de peru por carne de aves, troca de favores por procedimentos fiscalizatórios

Produtos cárneos Não exportou *
E. H. CONSTANTINO & CONSTANTINO

Corrupção

Produtos cárneos Não exportou *
FÁBRICA DE FARINHA DE CARNES CASTRO 

Não controle de recebimento de matéria-prima.

Farinha de carne e osso Não exportou *
TRANSMEAT LOGISTICA, TRANSPORTES E SERVIÇOS

Corrupção e injeção de produtos cárneos.

Produtos cárneos Não exportou *

Governo Tenta Amenizar a Situação da Carne Fraca

O Ministério da Agricultura desaprovou a forma com que a Polícia Federal divulgou as apurações da Operação Carne Fraca. Em entrevista coletiva no domingo passado, o ministro Blairo Maggi criticou a ação da Polícia Federal argumentando que a “narrativa” da operação está repleta de “fantasias” e “idiotices”. Para ele, foi a narrativa sensacionalista que gerou grande parte da repercussão negativa do caso no Baril e no mundo.

O ministro disse que a PF demonstrou falta de conhecimento sobre as regras que regem o setor ao condenar, por exemplo, o uso de ácido ascórbico na mistura de alimentos, de papelão em lotes de frango e de carne de cabeça de porco.

“Essa questão do papelão, está claro no áudio que estão se falando de embalagens e não falando de misturar papelão na carne. Senão é uma idiotice, uma insanidade, para dizer a verdade. As empresas brasileiras investiram alguns milhões, milhões e milhões de dólares dos seus mercados, há mais de dez anos, para consolidar mercado, e aí você pega uma empresa que é exportadora e vai dizer que misturou papelão na carne? Pelo amor de Deus. Não dá para aceitar esse tipo de situação”,

O ministro afirmou que “está escrito no regulamento” que a carne de cabeça de porco pode ser utilizada em embutidos, diferentemente do que informou a Polícia Federal. Ele disse, ainda, que o ácido ascórbico, divulgado como cancerígeno, “é vitamina C e pode ser utilizado em processos”.

O Que Dizem os Especialistas Sobre a Carne Fraca?

A BBC Brasil conversou com engenheiros de alimentos e especialistas em carnes para esclarecer o que pode e o que não pode ser adicionado no processamento de carnes e quais as preocupações que a investigação da PF deve despertar no consumidor. Para alguns deles, a maneira como a Operação Carne Fraca foi divulgada acabou gerando uma desconfiança exagerada dos consumidores.

“A polícia agiu mal com a maneira como divulgaram tudo. Acho que houve um certo exagero, para precipitar a loucura que foi na imprensa ontem”, disse o médico veterinário e especialista em carnes Pedro Eduardo de Felício.

A engenheira de alimentos Carmen Castillo, pontua que alguns ingredientes citados nas acusações, como o ácido ascórbico, são necessários para o processamento dos alimentos e é preciso tomar cuidado para não “demonizá-los”.

“Não é problema usar esses ingredientes (em alimentos processados e embutidos), o problema é não respeitar os níveis permitidos na lei”.

Segundo divulgado pela Polícia Federal em entrevista coletiva realizada na última sexta feira, foi apurado que alguns frigoríficos estavam usando ácidos e outros ingredientes químicos em quantidades muito superiores à permitida por lei para maquiar o aspecto físico de alimento estragado ou com mau cheiro.

Água no Frango

Segundo a PF, fiscais teriam descoberto que frangos da empresa BRF, a maior exportadora de frango do mundo, teriam absorção de água superior ao índice permitido.

“Injetar água no frango é um problema com o qual o Brasil vive e luta contra há muito tempo. Há oito anos que o Ministério da Agricultura é cobrado pelo Ministério Público que o frango não pode ter mais de 8% de água. A prática não chega a ser prejudicial à saúde, mas altera o peso da carne. É uma fraude econômica.” afirma Felício.

Papelão

papelao no frangoFuncionário: o problema é colocar papelão lá dentro do cms também né. Tem mais essa ainda. Eu vou ver se eu consigo colocar em papelão. Agora se eu não consegui em papelão, daí infelizmente eu vou ter que condenar.

Luiz Fossati (gerente de produção da BRF): ai tu pesa tudo que nós vamos dar perda. Não vamos pagar rendimentos isso.

Pedro Felício acredita que a referência ao papelão não foi feita como ingrediente para o processamento da carne. Para ele, o que acontece é que tem áreas dentro das indústrias que são chamadas de áreas limpas, onde não podem entrar embalagens secundárias, como caixas de papelão.

“Na gravação que ouvi, duas pessoas falavam em entrar com uma embalagem de papelão na área limpa. Evitar papelão nessas áreas faz parte das boas práticas de manufatura, mas não fazer isso não é o mesmo que usar papelão dentro da salsicha.”

Em nota, a empresa BRF afirmou que houve um grande mal entendido na interpretação do áudio capturado pela Polícia Federal. A empresa afirma que um de seus funcionários falava que tentaria embalar a carne em papelão. O produto é embalado normalmente em plásticos. Na frase seguinte, ele deixa claro que, caso não obtenha a aprovação para a mudança de embalagem, terá de condenar o produto, ou seja, descartá-lo.

Salsicha de Peru

A descoberta de que alunos da rede pública estadual no Paraná consumiram salsicha de peru sem carne de peru – preenchida com proteína de soja, fécula de mandioca e carne de frango – deu início à investigação de dois anos.

O uso de soja e de fécula de mandioca são comuns na produção de embutidos em todo o mundo, segundo os especialistas, porém é preciso respeitar as quantidades determinadas pela lei.

Ácido Ascórbico

acido ascorbicoSegundo comunicado da Polícia Federal, o ácido ascórbico – a popular vitamina C – e outras substâncias potencialmente cancerígenas, eram usadas para maquiar os produtos. Estes aditivos eram multiplicados cinco, seis vezes pela quantia permitida pela lei para disfarçar o cheiro e a cor das carnes.

A partir daí, muitos entenderam que o ácido ascórbico é uma substância potencialmente cancerígena. De acordo com a OMS, ela pode contribuir com distúrbios gastrointestinais, cálculos renais e outros problemas de saúde se for consumida em excesso e por longos períodos de tempo, mas não há evidências de relação direta com o câncer.

Falta saber que substâncias cancerígenas estariam sendo usadas e por quais empresas, de acordo com a investigação da Polícia Federal. Os especialistas alertam que o uso de ácido ascórbico na carne não é problema.

“O uso dele tem benefícios e não é para mascarar carne adulterada. Ele tem uma função nas carnes processadas como antioxidante, ajuda a melhorar a estabilidade do sabor e reduzir o teor de nitrito residual. O nitrito é um aditivo para realizar a cura, que é uma etapa importante no processamento da maior parte dos produtos processados. Todo ingrediente não cárneo tem função a cumprir no processamento de alimentos”, afirmou Carmen Castillo.

Pedro Eduardo de Felício pontua que o ácido ascórbico evita que a carne fique com uma coloração marrom e que isso é feito no mundo todo. A substância, segundo Felício, conseguiria mascarar a deterioração da carne no princípio, quando ela só tem algumas manchas, mas não quando o estado é mais avançado.

Cabeça de Porco

O uso da carne de cabeça de porco ou de boi em linguiças é discutido em uma das ligações interceptadas entre os sócios do frigorífico Peccin.

A utilização de cabeça de porco é admitida em outros países, segundo Felício. “Não será a melhor linguiça do mundo, mas não é prejudicial à saúde. Será um produto comestível, mas de categoria inferior. No Brasil, essa carne é considerada como matéria-prima nas formulações de embutidos cozidos, como mortadela.”

A Operação Carne Fraca Afetará a Economia Brasileira?

No curto prazo, as operações das empresas envolvidas nas investigações serão afetadas. O próprio mercado já está precificando esta queda de faturamento ao derrubar a cotação das ações. A dúvida que todos tem agora é: uma crise no mercado de carnes pode prejudicar as exportações brasileiras fazendo com que a fraca economia do país sofra ainda mais?

Segundo Leonardo Palhuca, economista que escreve no site Terraço Econômico, a resposta é: “provavelmente não”…

“Alguns países podem pedir inspeções mais rígidas, algumas explicações sobre o que aconteceu. Podem até proibir a importação de carne brasileira, mas isso não significa que a economia brasileira, como um todo, sofrerá um baque por conta disso.”

O economista argumenta que as exportações de carne ainda não são significativas a ponto de causar um grande problema para o Brasil, mesmo se reduzidas a zero – algo que dificilmente ocorrerá. Segundo dados da ABIEC (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes), a exportação de carnes e derivados representa menos de 3% (em valor) dos produtos exportados.

Para ele, não parece que as exportações de carnes sejam tão importantes quanto o agronegócio como um todo. Outro ponto é que as exportações de carne parecem estar em declínio desde 2014 e não há muito com o que se preocupar em termos macroeconômicos. Mas deixa a ressalva que se outros setores sofrerem sanções por uma falta de credibilidade da fiscalização sanitária brasileira, o impacto pode ser maior.

Embargo Mundial da Carne Fraca

Segundo divulgado pelo portal Infomoney, os seguintes países já se pronunciaram sobre a suspensão da importação da carne brasileira:

China: Pediu ao governo brasileiro explicações sobre a Operação Carne Fraca e, até receber as informações, não desembarcará as carnes importadas do Brasil, de acordo com comunicado do ministério da Agricultura.

Coréia do Sul: Inicialmente suspendeu a distribuição do frango já importado do Brasil. Deve fazer um exame minucioso e, se concluir que não há problemas higiênicos, distribuirá a mercadoria. O país intensificou as fiscalizações de carne de frango importada do Brasil e baniu temporariamente as vendas de produtos de frango da BRF mas voltou atrás e decidiu permitir a entrada de frango da BRF no país.

Europa: O continente não irá comprar carne das empresas envolvidas na fraude. Quaisquer dos estabelecimentos implicados na fraude serão suspensos. Não foi citado o nome de nenhuma empresa envolvida no escândalo. A princípio, o primeiro tipo de carne a sofrer a restrição será a de frango.

Chile: Teve uma das reações mais duras. Está barrando as importações de todo tipo de carne do Brasil após o escândalo sobre o suposto pagamento de propinas a agentes de fiscalização sanitária de acordo com o informado pelo ministério de Agricultura chileno.

importacao de carne

Segundo reportagem do Estadão, Japão, México, Suíça e Jamaica se tornaram os mais recentes países a proibir a importação de carne brasileira. Hong Kong, região autônoma administrada pela China e líder em importações do produto brasileiro no ano passado, também aderiu ao embargo.

México: Suspendeu a partir de 19 de março as importações de produtos pecuários brasileiros, informou a Secretaria de Agricultura mexicana em um comunicado. O país não importa carne bovina ou suína do Brasil, mas compra produtos refrigerados, congelados e desidratados de frango e de peru, ovo fértil e aves domésticas.

Japão: Suspendeu, até novas notificações, o trâmite das importações de frango e de outros produtos oriundos dos 21 estabelecimentos citados em investigações da Polícia Federal do Brasil. 70% do frango consumido vem do Brasil. E a legislação para produtos alimentícios importados é rigorosa.

Jamaica: O governo do país caribenho apelou para que a população simplesmente não coma carne brasileira e ordenou que supermercados retirem de suas prateleiras os produtos no setor bovino.

Hong Kong: Funciona de forma independente da China, mas nesta terça-feira (21) seguiu a mesma decisão dos vizinhos e suspendeu a importação de carnes de boi e de frango por tempo indeterminado. Hong Kong é o maior comprador da carne bovina brasileira e justificou a medida como precaução.

Empresas da Minha Carteira Afetadas pela Operação Carne Fraca

A Operação Carne Fraca revelou que empresas do setor de carnes, incluindo as gigantes JBS e BRF, adulteravam a carne que vendiam no mercado interno e externo. A investigação também revelou um esquema de propinas e presentes dados pelos frigoríficos a fiscais do Ministério da Agricultura, que supostamente recebiam para afrouxar a fiscalização e liberar a comercialização de carne vencida e adulterada.

Juntas, JBS e BRF, doaram R$ 384,9 milhões a políticos em 2014. Só a primeira, dona da Friboi, distribuiu R$ 366,8 milhões entre 25 partidos.

Sobre as acusações, a JBS se manifestou dizendo que “é a maior interessada no fortalecimento da inspeção sanitária no Brasil”, ressaltando que “no despacho da Justiça Federal que deflagrou a operação, não há qualquer menção a irregularidades sanitárias ou à qualidade dos produtos da JBS e de suas marcas.”

A BRF disse que “apóia a fiscalização do setor e o direito de informação da sociedade com base em fatos, sem generalizações que podem prejudicar a reputação de empresas idôneas e gerar alarme desnecessário na população.”

Mesmo com os pronunciamentos de defesa das empresas envolvidas e com a intensa movimentação do governo para acalmar os ânimos, o estrago já estava feito e o mercado puniu sem piedade as empresas do setor de carnes listadas em bolsa – até mesmo aquelas que não tiveram o nome envolvido na operação. Infelizmente três empresas da minha carteira de ações foram afetadas. Uma diretamente – a já citada BRF e duas indiretamente – a Minerva Foods e a Ouro Fino Saúde Animal.

BRF

A BRF foi criada a partir da união de Perdigão e Sadia, cuja fusão foi anunciada em 2009 e concluída em 2012. A BRF recebeu a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em 13 de julho de 2011. O negócio ficou condicionado ao cumprimento de um Termo de Compromisso de Desempenho (TCD) que estabeleceu a alienação das marcas Rezende, Wilson, Texas, Tekitos, Patitas, Escolha Saudável, Light Elegant, Fiesta, Freski, Confiança, Doriana e Delicata.

Em dezembro de 2011, esses ativos foram negociados com a empresa Marfrig, sendo o contrato de permuta de ativos firmado em 20 de março de 2012. Em troca, a BRF recebeu a totalidade da participação acionária detida na Quickfood S.A., sediada na Argentina.

brf estrutura

Estrutura Societária BRF – Fonte RI

A BRF é uma das maiores produtoras de alimentos de carne in natura e congelada do mundo. É proprietária de marcas como Sadia, Perdigão, Qualy, Chester, Perdix e Paty. A BRF é responsável por 14% do comércio de aves mundial. Seus produtos processados incluem as categorias de marinados, congelados, aves especiais inteiras e cortes de aves Chester e peru, carnes processadas e congeladas, pratos prontos congelados, categorias em porções e produtos em fatias. Também fabrica margarina, especialidades doces, sanduíches, maionese, e ração animal.

brf marcas

Marcas BRF – Fonte RI

Com 47 plantas em todas as regiões do Brasil, a BRF tem entre seus principais ativos a capacidade de distribuição que permite a seus produtos alcançar consumidores brasileiros através de 680 mil entregas mensais e 42 centros de distribuição, 27 deles no mercado doméstico e 15 em nossos mercados de exportação.

brf market share

BRF Market Share Brasil – Fonte RI

A BRF mantém 19 escritórios de venda fora do Brasil servindo clientes de mais de 120 países em cinco continentes. Possui sete unidades industriais na Argentina, duas na Europa (Inglaterra e Holanda, através da Plusfood) e uma em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos.

brf no mundo

BRF no Mundo – Fonte RI

A tabela a seguir apresenta o resultado da BRF por região de atuação. Notem que em termos de volume produzido o Brasil representa 45% da produção mundial. Seguido pela região do Oriente Médio e norte da África (MENA) com 19%, Ásia com 15%, Europa com 8%, América Latina (LATAM) com 6% e África com 4%.

brf resultados

Resultados da BRF – Fonte RI

O ano de 2016 foi marcado por desafios que impactaram os resultados de curto prazo da BRF. A conjugação de fatores setoriais, conjunturais e de incertezas políticas, somada a alguns desafios de execução interna, levou a resultados muito aquém do esperado e muito abaixo do potencial da empresa. O principal fator interno que fez o lucro da empresa despencar em 2016 foi a alta no preço da saca de milho. A estimativa é que o grão responda por 60% a 70% do custo na criação de aves e suínos.

brf receita lucro

Receitas e Lucros da BRF – Fonte RI

Com a deflagração da Operação Carne Fraca, a BRF sofreu o que se costuma chamar no mercado de “tempestade perfeita”. A cotação da ação BRFS3 já vinha em franca queda por conta dos péssimos resultados em 2016 e o seu envolvimento nos ilícitos investigados foi o tiro de misericórdia no papel. Na sexta-feira passada o papel já tinha apresentado expressiva queda e na abertura do pregão de segunda o tombo foi maior ainda por conta das notícias de embargo da carne brasileira no mercado internacional.

brfs3

Minerva Food

A Minerva Foods é referência global na produção e comercialização de carne bovina, couro, exportação de gado vivo e derivados, e no processamento de proteínas bovina, suína e aves. Uma das empresas líderes do segmento na América do Sul, a Minerva Foods sustenta uma posição privilegiada no mercado internacional, exportando para mais de 100 países nos cinco continentes.

A Minerva Foods é uma empresa brasileira de alimentos fundada em 1992 e com sede na cidade de Barretos no estado de São Paulo e pertence a família Vilela de Queiroz. É a segunda maior empresa de carne bovina do Brasil. Possui 11 unidades indústrias, 8 no Brasil (MINERVA), 2 no Paraguai (FRIASA) e (FRIGOMERC) e 2 no Uruguai (PUL) e (CARRASCO). Cerca de 70% das receitas da Minerva são provenientes do mercado externo.

dolar minerva

No mês de novembro de 2013 a Minerva adquiriu através de uma troca de ações duas unidades industrias de abates de bovinos no estado do Mato Grosso que pertenciam a BRF. O CADE aprovou a operação em agosto de 2014 com apenas uma restrição: as duas companhias teriam que diminuir um pouco a suas participações no mercado brasileiro de alimentos processados. Após a operação ser aprovada, a BRF passou a deter 16,29% das ações da Minerva.

Em março de 2014 comprou por 37 milhões de dólares a empresa de carnes do Uruguai Carrasco. Com a aquisição a Minerva Foods passou a ser vice líder no mercado Uruguaio na produção e exportação de carne e também aumentou a sua produção para 2.400 cabeças de gados ao dia.

minerva mercado de carne

Presença de Mercado da Minerva Foods – Fonte RI

Conforme apresentado nos gráficos acima, a Minerva Foods possui 20% de market share no Brasil e Uruguai. Os maiores importadores da carne produzida pela Minerva são Ásia, Oriente Médio, União Européia, Américas e África.

Apesar de  não ter sido citada nas investigações da Operação Carne Fraca, as cotações da Minerva Foods apresentaram queda forte nos pregões que sucederam a divulgação da operação como pode ser observado no gráfico da ação BEEF3 abaixo:

beef3

Ouro Fino Saúde Animal

A Ouro Fino Saúde Animal atua na (i) fabricação e comercialização, no mercado nacional, de medicamentos, vacinas e outros produtos veterinários para uso em animais de produção, que incluem, substancialmente, bovinos, equinos, aves e suínos (Animais de Produção); (ii) fabricação e comercialização, no mercado nacional, de medicamentos e outros produtos veterinários para uso em animais de companhia, que incluem cães e gatos (Animais de Companhia); e (iii) exportação de produtos do segmento de Animais de Produção (Operações Internacionais).

A empresa iniciou suas operações em 1987, e, ao longo desses 29 anos de trajetória, consolidou sua posição de liderança no mercado brasileiro de saúde animal, principalmente em razão da qualidade e diferenciação dos nossos produtos e do atendimento especializado aos seus clientes, decorrente de amplo conhecimento das necessidades do mercado nacional.

ouro fino

De acordo com dados do SINDAN, a Ouro Fino ocupa a terceira posição no mercado nacional de saúde animal, que possui predominância de grandes companhias farmacêuticas globais. Com crescimento histórico acima da média do mercado, conseguiu melhorar seu posicionamento em relação aos seus concorrentes no mercado brasileiro. Com um crescimento de participação de mercado de dois pontos percentuais entre dezembro de 2011 e junho de 2014, passou do quarto para o terceiro lugar no ranking nacional de saúde animal.

Conforme mostra o gráfico abaixo, o papel já vinha em queda acentuada desde meados do ano passado em função de resultados ruins apresentados pela empresa. No dia do anúncio da Operação Carne Fraca ocorreu um aumento do volume de negociação do papel com pouca variação de preço. Já na última segunda, a ação OFSA3 apresentou sua menor cotação desde o IPO.

ofsa3

O ano de 2016 ficará marcado na história da Ourofino como um dos mais desafiadores. Externamente, a empresa foi fortemente pressionada por condições macroeconômicas e mercadológicas adversas. Internamente, precisou tomar decisões difíceis para correção de rota que deverão refletir em melhores resultados em 2017, bem como para os anos seguintes.

Para 2017, a empresa espera colher os resultados da mudança de direcionador da equipe comercial com o programa de incentivo atrelado ao incremento de margem bruta; da diminuição da exposição no segmento de aves; da racionalização do portfólio de produtos para bovinos; e do restabelecimento progressivo de níveis menores de estoque, melhorando o capital de giro.

suno research recomendação

20 comentários em “Como a Operação Carne Fraca Afetou os Meus Investimentos

  1. Armando Responder

    Tenho brfs e seguro comigo até chegar perto de um prejuízo aceitável. Devia ter ouvido meu sexto sentido, esse setor tem sérios problemas na forma como trabalham. JBS está um nível acima no que se refere a rolo, hoje saiu mais denúncia sobre Palocci e BNDES. É uma espécie de grupo X.

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Opa Armando!

      Esta JBS é uma bomba prestes a explodir, mas parece que o mercado gosta dela. Já a BRF, comprei bastante neste última queda, acho que vale o risco.

      Abraço!

  2. Pingback: WordPress é Melhor do que o Blogger?

  3. viverdedividendos Responder

    Pequeno frigorífico e granja ??? Entendi certo ???

    Pensei que isso tinha acabado quando o PT resolveu criar os campeões nacionais e matar a grande maioria dos micros empresários do setor

  4. Rodolfo Oshiro Responder

    Uo,

    Não gosto muito de empresas envolvidas com o Estado … penso 50 vezes antes de comprar .. então JBS é carta fora faz tempo da minha carteira … BRF eu via com bons olhos .. principalmente depois das margens do ano passado .. ação levou um tombo .. depois do rolo com a arabia … tirei do radar também … ainda bem …

    Vamos acompanhar os desdobramentos … todo o PMDB saiu raivosamente contra a PF… agora já começaram com os discursos mais políticos sobre a PF … enfim … tenho muito mais credibilidade na PF do que no Temer e naquele ministro da agrilcutura …

    Abs,

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Fala Rodolfo!

      Agora realmente é acompanhar os desdobramentos, e vai ter muito desdobramento hein?! Daqui uns meses: “décima oitava fase da carne-fraca é deflagrada”, rs

  5. Frugal Simple Responder

    Eu tinha BRFS3 mas já estava em quarentena.
    Os caras poderiam aproveitar a deixa e expulsar o Abílio de lá.
    Não suporto aquele cara.

    Abraço Uó!

  6. paodurismo Responder

    excelente post!!!
    só achei muito longo rsrsrsrsrs
    acho que a parte inicial (notícias, etc… todo mundo já tinha lido)… bastava focar no final que são as cotações e tudo mais…

    tb tenho BRFS3 e levei um tombo… minha idéia é tentar identificar o fundo… comprar um pouco e trazer o preço médio pra algo mais baixo… e sair imediatemente qndo chegar perto do preço médio (se cruzar seria um sonho)…

    vamos ver se consigo!

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Pois é, acabei fazendo um post para quem estava em coma nas últimas duas semanas e acabou de acordar, rs.

      Fiz várias compras de BRF nos últimos dias, nem sei como está o PM, mas a compra mais baixa foi em 34 reais. Comi mosca e não conseguir comprar a 32. Uma boa empresa passando por um momento difícil costuma ser um buy opportunity, mas isto só vai se confirmar daqui uns meses, por enquanto é pura especulação.

      Obrigado e abraço!

  7. ANDRE R AZEVEDO Responder

    Sessão aproveitando o que as coisas trazem de bom…

    Aqui do lado de casa tem um açougue da Swift e comprei carne para 3 meses e enfiei tudo no congelador. Os preços deram uma boa caída!

    Seu site tá ficando profissional, hein, Uó? Parabéns!

    Abração!

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Enquanto uns choram outros vendem lenço, rs.
      Valeu André!

    • Frugal Simple Responder

      Vc é show de bola André! kkkkk Tb pensei em fazer isso, mas nao tenho freezer em casa e meu congelador é minúsculo, só cabem 3 potes de sorvete de 2l ali dentro!

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Entre sorvete e carne tô preferindo o sorvete,r s

  8. SEGUE O BLOG Responder

    quanto a ourofino,esta na minha mira…como trabalho na area e tenho contato direto com a ourofino sei muito bem da competencia deles (na area de pequenos animais sao otimos) na area de grandes animais também,concordo que deveriam diminuir a exposiçao em aves,ok

    Agora quanto a queda de receita acredito que todas as clinicas sentiram muito o impacto no fim de 2016 e nesse inicio de 2017(periodo de festas ferias carnaval),agora vejo uma melhora significante no movimento e fluxo.

    A empresa é totalmente eficaz na entrega e nos pedidos,realmente muito boa mas se continuar nesse ritmo nao vejo uma boa perspectiva futura de crescimento dos lucros…eles tem de ser mais agressivos em vendas tirando uma margem melhor e deixar as pesquisas pra depois…nao adianta pesquisar se nao sobrar grana pra crescer também..

    • Ábaco Líquido Autor do postResponder

      Opa!

      Bom ter este seu feed-back! Espero que se confirme os resultados almejados com as reestruturações. Vamos sofrer um pouquinho mas há potencial. Mas no final tudo é risco mesmo.

      Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.