Dia Internacional da Mulher

No dia da mulher sempre aparecem piadas nas mídias sociais, uma que li hoje cedo no Facebook dizia: “parabéns ao dia da costela de Adão”. Brincadeiras à parte, se você fizer uma rápida pesquisa na internet verá que o dia internacional da mulher trata-se de uma data simbólica que representa uma série de reivindicações e conquistas de direitos das mulheres nas últimas décadas, sobretudo no âmbito trabalhista. Mas afinal, o que buscam as mulheres nos dias atuais?!

Conforme descrito no site Sua Pesquisa, ao ser criado o dia internacional da mulher, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho, etc.

Feminino e Misoginia

Estou fazendo este post apenas para não deixar a data passar em branco e também para compartilhar com os colegas uma palestra do Leandro Karnal que ouvi nesta manhã. Já devo ter ouvido umas 100 palestras do Karnal e hoje em dia as novas palestras soam de certa forma repetitivas para mim.

Contudo, o nível de conhecimento e de retórica destes palestrantes é tão apurado que conseguem formatar novas palestras a partir de palestras já realizadas, interpondo novos elementos e citações a falas já conhecidas. E esta palestra em particular foi muito bem montada tendo em vista o dia internacional da mulher.

A palestra é intitulada Feminino e Misoginia e foi proferida na Unicamp. Não é a primeira vez que o Leandro Karnal toca no assunto da misoginia. Em reportagem publicada no site Justificando ele disse:

“A tradição da misoginia é certamente a mais sólida de todas as tradições preconceituosas do planeta. A misoginia é o preconceito mais antigo, estruturado e danoso de todos. E é possível que outros preconceitos históricos, como a homofobia, sejam filhos da misoginia. ”

Quanto à questão da violência contra a mulher, o palestrante mostrou dados de pesquisas que indicam que a ideia de que as mulheres pobres são as que apanham mais é equivocada. Mulheres de todas as classes sociais, sem distinção, são vítimas de violência, basta ver o caso mais recente envolvendo o cantor sertanejo e o caso do investidor financeiro. O palestrante também é enfático quando a questão da denúncia:

“Não existe o homem agressor de uma vez apenas. Quem bateu uma vez… tem um potencial. Se você perdoar será um exercício de cristianismo muito bonito, mas vai até o fim na cruz porque você irá morrer crucificada”.

A criação das delegacias da mulher e a lei Maria da Penha foram sem dúvida um avanço para as mulheres nos últimos anos. Hoje, com a nova lei, denunciado o crime da agressão não há como voltar atrás, torna-se um crime público e o mesmo deverá ser investigado até o final.

Karnal conclui a palestra falando do termo feminismo, que para ele representa a luta pela igualdade humana e que deve ser uma luta tanto de mulheres quanto de homens. Segundo ele, o feminismo é um pensamento indispensável para a dignidade humana que interessa não só as mulheres como à sociedade em geral.

o que as mulheres querem

Casamento

Por que estou colocando estes assuntos aqui no blog de finanças? Bom, este não é só um blog de finanças, antes de mais nada é um blog pessoal onde externo algumas opiniões – poucas vezes na verdade. O principal objetivo é levantar um debate, ouvir a opinião de outras pessoas, mesmo porque quem acompanha a finansfera vez ou outra se depara com situações misóginas.

Outro assunto que gera muita polêmica por aqui é o casamento. Então não poderia de deixar de tocar neste assunto. O Karnal é bem sarcástico quanto ao casamento. Para ele, o casamento é uma iniciativa aparentemente feminina já que as mulheres controlam todo o processo, enquanto a noiva é a protagonista o noivo é um mero coadjuvante (sem direito a estatueta)…

A noiva escolhe a igreja, o padre (ou pastor), as flores, a roupa dos padrinhos… e o noivo entra na igreja admiradíssimo, sem ter a menor ideia do que está acontecendo. O noivo entra na igreja e chora (a noiva não chora porque estraga a maquiagem). Mas o noivo chora porque foi convidado para o casamento, sente-se honrado. Afinal, é importante ter um noivo.

Brincadeiras à parte, ele cita dados do IBGE que mostram que as mulheres são responsáveis por 75% dos pedidos de divórcio no Brasil. Para ele é um sinal de que as mulheres, ao se casarem, estão em busca da felicidade, e quando percebem que um casamento por si só não é uma promessa de felicidade, então o mesmo estará em risco.

No casamento, para o homem basta cerveja gelada na geladeira e um pacote do brasileirão na TV a Cabo. Esta é a felicidade plena do homem casado (bolsa em alta também complementa este pacote marido). Mas para a mulher a conquista da felicidade é um pouco mais complexa, por isto tantos divórcios nas últimas décadas.

Bom, acho que já falei muito, deixo aí o vídeo para quem se interessar. A provocação está feita. Lembrem-se que aqui no site não moderamos comentários, o debate é aberto e democrático.

Artigos Relacionados

12 thoughts on “Dia Internacional da Mulher

  1. Rodolfo Oshiro Reply

    Uo,

    Já que o espaço é democrático, deixo minha opinião que ach oo cara do video um puta babacão .. rs ..

    Abs,

    • Ábaco Líquido Post author

      Fale mais Rodolfo, rs.

    • Ábaco Líquido Post author

      Justamente. Abraço MRF!

  2. enriquecimentoprogressivo Reply

    Diante de tudo isso, ainda existem pessoas que deturpam o real significado do movimento feminista. Acho importante que os homens também entrem nessa luta e apoiem cada vez mais as mulheres por um mundo mais igualitário.

    Abraços

    • Ábaco Líquido Post author

      Muita coisa é deturpada neste país, principalmente nas mídias sociais. Estas mídias deram voz aos incautos.
      Abraço!

  3. Jacqueline Muniz Reply

    Olá!

    É um erro se casar buscando a felicidade nele. As pessoas só deveriamse casar quando já são felizes e estão realizadas, porque aí elas podem compartilhar isso e não se cobrar porque um não está fazendo o outro feliz.

    Quanto a feminismo… pelo menos atualmente eu tenho notado que o feminismo ‘liberta’ a mulher para que ela concorde cegamente com ele. Vejo muita besteira sendo dita em nome dele e não acho que me represente. Prefiro correr atrás das minhas coisas sem ter que dever nada à ‘irmandade’.

    Um abraço!

    • Ábaco Líquido Post author

      Olá Jacqueline!

      Entendo seu ponto de vista, contudo, pessoas felizes e plenamente realizadas não conheço nenhuma. No seu ponto de vista a instituição casamento estaria com os dias contados. Posso estar sendo pessimista mas desconfio de felicidade plena. No meu ponto de vista, procurar a felicidade no outro também é insustentável. Mas é o mais comum e isto não mudará tão cedo. Nem vou dizer felicidade, vou chamar de bem-estar. Nosso bem-estar depende mais de nós mesmos do que de fatores externos. Mas estando casado, a coisa se complica um pouco pois nosso bem-estar muitas vezes entra em conflito com o do outro. Os casamentos mais fortes e duradouros são aqueles em que as aspirações dos dois mais se coincidem. Falei “mais”, ou seja, quanto mais pontos em comuns, quanto mais compartilhamento, mais fácil ter um bom relacionamento.

      Sobre o feminismo, nem vou falar muito. Uma prima minha, feminista, ao ler este texto disse que quando ouve homem falando de feminismo fica com pulga atrás da orelha, rs.

      Abraço!

    • Ábaco Líquido Post author

      Vou fazer outro ranking utilizando o indicador Similar Web, mas não é para agora…

  4. Stifler Pobre Reply

    Fala Uó, só lhe digo o seguinte: Eu costumo dizer que eu nunca vi Deus nem o diabo. Mas eu tenho certeza absoluta que o diabo não é chifrudo, vermelho, com aquele tridente na mão. Daquele ali todo mundo corre. O diabo vem bonito, de olho verde, com um peitão bonito, uma bunda bonita

Comente...