Dia das Crianças

Já ouviram falar em fotografia newborn? Quem é pai recente com certeza já ouviu. Ou talvez você já se deparou por aí com um bebê dormindo em um cesto, ou deitado em um caixote como o Uozinho na fotografia abaixo. Esta modalidade de fotografia é realizada com o recém-nascido logo nos primeiros dias de vida, geralmente com ele dormindo. Para realizar este tipo de ensaio os pais contratam um fotógrafo profissional, pois a técnica exige cuidados especiais como estúdio climatizado. Mas como sou meio pão-duro, resolvi eu mesmo fazer as fotos, o único gasto que tive foi com a aquisição da câmera DSLR.

fotografia newborn caseira

Fotografia é uma atividade que gosto muito e já virou hobby. Gosto também de realizar tratamentos nas fotos e algumas montagens posteriores. Esta foto ao lado, por exemplo, foi tirada com o Uozinho deitado sobre um travesseiro e posteriormente recortado e adicionado em um caixote que encontrei na internet. O caixote na verdade era amarelo e troquei a cor por azul. Quem olha a fotografia pela primeira vez nem percebe que é uma montagem.

Mas o assunto de hoje não é fotografia. Estou na verdade retornando ao tema Valores Reais que já recebeu uma postagem especial aqui no blog. O que me despertou para o post de hoje foi justamente esta data comemorativa que não podia passar em branco para mim.

Então, no dia das crianças, falarei um pouco deste pequeno ao lado que tanto me enche de alegrias e a cada dia me desperta uma nova emoção.

 

Não sei se já contei a história de vida do Uozinho aqui, talvez tenha contado no blog antigo, mas resumidamente ele é fruto de uma longa jornada que teve início lá pelos idos de 2010 se não me falha a memória. Devido a uma doença (endometriose) da minha esposa  – muito comum nas mulheres de hoje em dia – foi necessário realizarmos procedimentos de reprodução assistida para podermos engravidar.

A vida prega destas peças, enquanto vários casais não esperam ter filhos e de repente a cegonha está batendo na porta, muitas vezes de surpresa. Na outra ponta muitos casais tentam ter filhos durante anos e anos e não conseguem.

Desta forma, procuramos primeiramente a rede de saúde pública para realizar os procedimentos. Um tratamento de reprodução assistida ainda é muito caro e dependendo da quantidade de tentativas o valor total pode ultrapassar os três dígitos. E não há garantias de ter o filho. As estatísticas giram em torno de 60% de sucesso nas melhores clínicas.

Porém, o Hospital das Clínicas de Belo Horizonte, que é o local onde são realizados os procedimentos pelo SUS, há um protocolo que determina primeiro a realização de procedimentos de inseminação artificial. Não obtendo sucesso nestes procedimentos, parte-se então para os procedimentos de fertilização in vitro.

Só que a inseminação artificial é um método pouco eficaz, principalmente quando a infertilidade está no lado da mulher. E como todos sabem, a fila do SUS é longa, até chegar a sua vez de realizar a fertilização in vitro, que é o método mais eficaz, o casal pode ficar anos esperando.

Foi então que desistimos do tratamento público e procuramos uma clínica particular. O processo foi muito rápido, tivemos sorte no início e com poucas semanas já estávamos “grávidos”. Porém, o feto apresentou má formação e faleceu aos 5 meses de vida. Um dos momentos mais tristes que já enfrentamos até hoje.

Meses depois reunimos forças para tentar novamente. Tínhamos dois embriões fecundados e congelados em nitrogênio líquido. O procedimento seria simples, bastaria colocá-los no útero e aguardar alguns dias para saber o resultado. Infelizmente não deu certo e teríamos que começar um novo tratamento.

Como já tínhamos, de certa forma, superado o luto da morte do primeiro filho, então nada impediria de recomeçar. Apesar das dificuldades, principalmente para a mulher que sofre muito com o tratamento que é muito invasivo (vários US vaginais semanais, injeção de hormônios diária, retirada de óvulos, etc), o tratamento correu de forma tranquila e fomos presenteados com a pessoinha aí da foto.

calendario bebê

Durante estes três últimos, tanto nos nove meses da gravidez quanto nos primeiros dois anos de vida do nosso filho, tenho registrado através de fotografias e vídeos cada momento. Não sou daqueles fotógrafos compulsivos que tira foto todo dia, mas vez ou outra estou registrando o dia-a-dia.

Mas as fotos só registram os momentos, não capturam as emoções. Estas são vividas a cada dia, cada hora, cada segundo. E são muitas viu?! Só quem já foi pai sabe o que é. Quem ainda não foi tem apenas uma noção.

Muitos psicólogos, filósofos e psicanalistas já se debruçaram sobre pesquisas tentando entender o que leva uma pessoa a querer ter um filho já que ser pai é sinônimo de angústias diárias, noites mal dormidas, preocupação, frustrações, etc.

Ninguém chegou a uma conclusão racional. Na verdade não existem respostas exatas. É algo particular de cada um. Mas no final das contas você vai descobrir que ser pai é uma forma de mostrar a você mesmo o quão grande e incondicional pode ser o amor que você tem para dar.

Vou terminar este post com um pequeno registro fotográfico do Uozinho ao longo destes dois primeiros anos. Olhando as fotos percebemos como o tempo passa rápido. Outro dia mesmo ele estava chorando na sala de parto do hospital. Hoje está entrando em uma das fases que eu mais esperei: a fase das perguntas. Daqui um tempo vai perguntar como veio ao mundo, aí terei que dar uma aula de reprodução assistida, rs. Ontem ele pegou uma gripe, eu também peguei a mesma gripe, nariz escorrendo, dor de garganta, indisposição. E nestes momentos ele sofre muito, durante a noite não consegue respirar com o catarro acumulado, chora, costuma vomitar o leite que bebeu antes de dormir, parte da janta também sai junto, nossa, é angustiante ver o estado da criança doente. Mas ser pai é isto, é ser forte nas horas difíceis, ser presente nas horas alegres, é falar não, é dar limites, explicar como funciona o mundo, responder perguntas, brincar, correr… mas acima de tudo: dar amor. Te amo baixinho! um dia você ainda vai ler este texto.

bebê na poltrona

Feliz dia das crianças a todos os leitores!

Tópicos Relacionados

10 comentários sobre “Dia das Crianças

  • Olá, Uó! Belíssimo post. Eu estive nas duas situações que você menciona: a cegonha inesperada e a angústia/frustração pela dificuldade de uma nova gravidez. Quando namorávamos, minha, agora esposa, engravidou e veio nosso filho de forma rápida e inesperada. Depois, quando queríamos um segundo filho(a) vieram as gravidezes interrompidas (umas três, eu acho) até que desistimos e, quando já pensávamos em adoção, tivemos a surpresa da chagada de nossa filha. Eles têm doze anos de diferença, mas estamos muito felizes com a família completa.
    Parabéns pelo Uozinho! Abraço!!!

    • Olá IPV!
      Puxa, que surpresa! Como se diz: Deus escreve certo por linhas tortas.
      Parabéns pela família.
      Eu e minha esposa estamos na fila de adoção. Já passamos por todas as etapas do processo e agora é esperar a chegada do segundo filho.
      Grande abraço!

  • Fala Uó!

    Não sei o motivo, mas pelo celular não encontro os seus posts mais recentes (sempre cai no post de Lavras Novas).

    Pelo meu computador, eu só vejo seu penúltimo post.

    Para achar este, tive que pesquisar “criança” na barra de pesquisa.

    Abraço

  • Nossa! Bonito texto, Uó!

    Bacana você falar desse tema. Se todos os pais tivessem essa cabeça, muitos filhos (adultos) não estariam dando problemas à sociedade.

    Parabéns pela luta e benção!

    • Olá A!
      Como já disse o pensador: o mundo que deixaremos para nossos filhos dependerá dos filhos que deixaremos para este mundo.
      Obrigado e grande abraço!

Comente...